Bolsonaro diz que fará o possível para intervir na Venezuela

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira (17) acreditar que a "solução" para a crise na Venezuela virá em breve, ao receber o presidente do Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela no exílio, Miguel Ángel Martins, e o assessor de Assuntos Institucionais da Organização dos Estados Americanos (OEA), Gustavo Cinose, e afirmou que o Brasil fará o possível para ajudar a oposição venezuelana a tirar Maduro do poder 

Bolsonaro diz que fará o possível para intervir na Venezuela
Bolsonaro diz que fará o possível para intervir na Venezuela

247, com Sputnik -  .

"Faremos de tudo para que a democracia seja restabelecida, que vocês possam viver em liberdade. [...] Então, a gente pede a Deus, em primeiro lugar, e depois nós continuaremos fazendo todo o possível para restabelecer a ordem, a democracia e a liberdade. Então, ao povo da Venezuela a gente pede resistência, muita fé e eu acredito que a solução virá brevemente", disse Bolsonaro após o encontro.

A declaração do presidente foi registrada em vídeo e divulgada pelo Palácio do Planalto. Ele também afirmou que os brasileiros se sentem "constrangidos" pela situação política vivida pelo país vizinho e atribuiu parte da responsabilidade a seus antecessores Lula e Dilma.

"Nós nos sentimos de uma maneira bastante constrangida, porque se vocês não tiverem essa liberdade, nós aqui também nos sentimos da mesma maneira. Sabemos como esse desgoverno chegou ao poder, inclusive com ajuda de presidentes que o Brasil já teve, como Lula e como Dilma, e isso nos torna responsáveis pela situação que vocês se encontram, em parte".

Além de Bolsonaro, Martins e Cinose se encontraram com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, no Palácio do Itamaraty. O representante da OEA deu um breve resumo sobre as reuniões em Brasília. "O presidente Jair Messias Bolsonaro e o ministro das Relações Exteriores expressaram com contundência o apoio para que se termine esta terrível situação que está vivendo o povo da Venezuela".

Em nota, o Itamaraty afirmou: "O sistema chefiado por Nicolás Maduro constitui um mecanismo de crime organizado. Está baseado na corrupção generalizada, no narcotráfico, no tráfico de pessoas, na lavagem de dinheiro e no terrorismo."

A oposição venezuelana está organizando uma grande manifestação para o próximo dia 23 e se prepara para desencadear ações violentas no país com apoio externo.

Conheça a TV 247

Mais de Mundo

Ao vivo na TV 247 Youtube 247