Brasil está na ‘UTI da Unasul’, diz secretário-geral

"Vemos que o julgamento da presidente [Dilma Rousseff] está avançando rapidamente, sem que exista, a nosso ver, nenhuma prova" que determine sua culpabilidade, afirmou o secretário-geral da Unasul, Ernesto Samper, durante reunião de chanceleres em Quito; segundo ele, a eventual saída de Dilma "do poder seria uma questão preocupante para toda a região"

"Vemos que o julgamento da presidente [Dilma Rousseff] está avançando rapidamente, sem que exista, a nosso ver, nenhuma prova" que determine sua culpabilidade, afirmou o secretário-geral da Unasul, Ernesto Samper, durante reunião de chanceleres em Quito; segundo ele, a eventual saída de Dilma "do poder seria uma questão preocupante para toda a região"
"Vemos que o julgamento da presidente [Dilma Rousseff] está avançando rapidamente, sem que exista, a nosso ver, nenhuma prova" que determine sua culpabilidade, afirmou o secretário-geral da Unasul, Ernesto Samper, durante reunião de chanceleres em Quito; segundo ele, a eventual saída de Dilma "do poder seria uma questão preocupante para toda a região" (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Do Opera Mundi - "Vemos que o julgamento da presidente [Dilma Rousseff] está avançando rapidamente, sem que exista, a nosso ver, nenhuma prova" que determine sua culpabilidade, afirmou o secretário-geral da Unasul, Ernesto Samper, durante a reunião de chanceleres do bloco neste sábado (23/04), em Quito.

O encontro, de caráter ordinário, teve início com a entrega da presidência temporária do grupo, das mãos do chanceler uruguaio, Rodolfo Nin Novoa, para sua colega Delcy Rodríguez, da Venezuela, país que terá essa função por um ano.

A situação política brasileira e a crise humanitária decorrente do terremoto que atingiu o Equador estiveram no centro dos debates.

A respeito do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, Samper afirmou a eventual saída dela "do poder seria uma questão preocupante para toda a região".

Segundo ele, o Brasil está em uma espécie de "UTI da Unasul", por isso o diálogo de chanceleres para buscar estratégias de apoio à democracia brasileira.

"Esperamos que os atores (políticos no Brasil) reiterem seu compromisso com a democracia e que a presidente Rousseff possa sair bem deste impasse", ressaltou Samper.

Na última sexta-feira (22/04), Dilma afirmou para jornalistas estrangeiros que, caso o processo de impeachment prospere, ela acionará a cláusula democrática do Mercosul e da Unasul. Foi por meio desse mecanismo que o Paraguai foi suspenso do Mercosul em 2012 após o golpe parlamentar contra o ex-presidente Fernando Lugo.

Equador

A respeito do terremoto que atingiu o Equador nas últimas semanas, o organismo lançou uma declaração especial na qual "reitera o compromisso de continuar com o apoio integral dos atingidos em cada uma das fases e com a reconstrução das zonas afetadas".

Na reunião de Quito participaram cinco chanceleres, quatro vice-chanceleres e três secretários de Relações Exteriores. A Unasul é integrada por Argentina, Brasil, Bolívia, Colômbia, Chile, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela.

Com informações da Agência Efe

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247