Brasil estaria preocupado com crise militar na Venezuela

Governo do presidente em exercício, Michel Temer, estaria preocupado com a substituição dos comandos militares na Venezuela;Brasil receia ma eventual crise militar interna ou uma guerra civil branda na Venezuela e estaria buscando apoio de países vizinhos como Bolívia e Equador para negociar uma solução junto à Unasul para a crise venezuelana

Governo do presidente em exercício, Michel Temer, estaria preocupado com a substituição dos comandos militares na Venezuela;Brasil receia ma eventual crise militar interna ou uma guerra civil branda na Venezuela e estaria buscando apoio de países vizinhos como Bolívia e Equador para negociar uma solução junto à Unasul para a crise venezuelana
Governo do presidente em exercício, Michel Temer, estaria preocupado com a substituição dos comandos militares na Venezuela;Brasil receia ma eventual crise militar interna ou uma guerra civil branda na Venezuela e estaria buscando apoio de países vizinhos como Bolívia e Equador para negociar uma solução junto à Unasul para a crise venezuelana (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - O governo do presidente em exercício, Michel Temer, estaria preocupado com a substituição dos comandos militares na Venezuela. É o que afirmam colunistas da mídia brasileira, citando o receio do governo de uma eventual crise militar interna ou uma guerra civil branda na Venezuela.

Segundo o artigo publicado no Estado de S.Paulo, o governo brasileiro estaria buscando apoio de países vizinhos como Bolívia e Equador para negociar uma solução junto à Unasul para a crise venezuelana.

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, também manifestou disposição de intermediar o diálogo na Venezuela, buscando promover a ascensão de sua chanceler, Susana Malcorra, que aspira ao cargo de secretária-geral da ONU.

A situação na Venezuela adquiriu um caráter crítico no contexto de falta de produtos de consumo, inflação galopante e queda do faturamento estatal, provocado pela queda dos preços do petróleo. A isto se soma a crise institucional entre os poderes executivo e legislativo, controlado pela oposição. Desse modo, Nicolás Maduro, em 18 de maio, declarou estar pronto para declarar estado de emergência para prevenir eventuais desordens públicas.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247