Brics começa reunião em Brasília com ataques ao protecionismo dos EUA

Embora os Estados Unidos não fossem nominalmente citados, o protecionismo que é a marca do governo Trump nas relações comerciais externas esteve no alvo das críticas no primeiro dia da 11ª Cúpula do Brics, bloco formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, iniciada nesta quarta-feira (13) em Brasília. A fala mais enfática nesse sentido foi a do presidente chinês Xi Jinping

Brics em Brasília
Brics em Brasília (Foto: José Paulo Lacerda/Ag.Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Reportagem da Folha de S.Paulo destaca que as críticas à escalada do protecionismo no comércio global deram o tom dos discursos no primeiro dia da Cúpula.   

A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China vem causando queda nas previsões de crescimento global.   As declarações são feitas em um momento em que o governo brasileiro adota uma postura de alinhamento aos Estados Unidos.   

“O crescente protecionismo e ameaças no mundo estão colocando em risco o comércio e o investimento internacional, levando à desaceleração da economia internacional”, disse o presidente do gigante asiático durante o fóruo de empfresáro do Brics.   

Xi Jinping defendeu a queda de barreiras comerciais entre os países em desenvolvimento e ressaltou que o mundo passa por um momento de transformações que aumenta as oportunidades para acordos.  “As nossas economias enfrentam desafios e creio que as inovações são a melhor maneira de enfrentar esses desafios que comprometem nosso desenvolvimento econômico. Nós temos de propor novos caminhos para a nossa indústria”, disse.  

Xi fez também um chamado para que os países do Brics participem da Iniciativa Cinturão e Rota, de grandes obras de infraestrutura em parceria com a China e com financiamento do Banco de Desenvolvimento Chinês.  "A Iniciativa Cinturão e Rota está entrando em novo patamar, espero que todos vocês possam participar mais ativamente desta plataforma", afirmou.   

Por seu turno, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou que a situação da economia global "continua complexa" e defendeu que os países do bloco não se abatam com o crescimento das barreiras ao comércio.  

O presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, adotou linha semelhante.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247