Brics na era Bolsonaro: Temer revela inquietação de Rússia, China, Índia e África do Sul

Prestes a deixar a Presidência da República, Michel Temer (MDB) afirmou ter dado uma contribuição aos BRICS, o grupo de países formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, ao "tranquilizar" os líderes desses países sobre o futuro governo de Jair Bolsonaro

Brics na era Bolsonaro: Temer revela inquietação de Rússia, China, Índia e África do Sul
Brics na era Bolsonaro: Temer revela inquietação de Rússia, China, Índia e África do Sul (Foto: © Sputnik / Mikhael Klimentyev)

Sputnik Brasil - Prestes a deixar a Presidência da República, Michel Temer (MDB) afirmou ter dado uma contribuição aos BRICS, o grupo de países formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, ao "tranquilizar" os líderes desses países sobre o futuro governo de Jair Bolsonaro.

Em entrevista exibida pela GloboNews na noite desta segunda-feira, Temer revelou um encontro entre os líderes do quinteto à margem do G20, que aconteceu há duas semanas em Buenos Aires, na Argentina. Nele, perguntas sobre Bolsonaro surgiram.

De acordo com o atual presidente brasileiro, houve "perguntas" sobre o seu sucessor no comando do país a partir de 2019, mas que elas foram esclarecidas.

"Eu os tranquilizei [líderes do BRICS] pautado pela ideia de conversa que eu tive com o presidente eleito Bolsonaro. Verifiquei que uma coisa, na verdade, era a campanha eleitoral. Outra coisa é o exercício da Presidência, do governo. Eu disse: 'Olha, a primeira coisa que eu posso lhes dizer é que eu creio que, no panorama econômico, não haverá modificações'", declarou Temer ao jornalista e ex-deputado Fernando Gabeira.

Temer acrescentou que as maiores preocupações dos parceiros nos BRICS giraram em torno de temas econômicos, como as reformas (sobretudo a da Previdência), e das relações internacionais no futuro governo Bolsonaro.

Oficialmente, Bolsonaro ainda não deu claros indicativos sobre o que pensa a respeito dos BRICS – por meio de Temer no G20, o presidente eleito teria informado aos demais parceiros do bloco que terá "enorme prazer" de recebê-los em 2019, quando o Brasil sedia a 10ª cúpula do grupo.

Além disso, o Brasil assumirá no mesmo ano a liderança rotativa do bloco. Contudo, as preocupações das demais lideranças ainda devem permanecer até o início do governo Bolsonaro, sobretudo pelos indicativos de posições unilaterais ou bilaterais que, ao que indicam as declarações do presidente eleito e aliados, devem ser a tônica da política externa.

Ao longo da sua campanha, Bolsonaro teceu vários ataques à China, afirmando que Pequim poderia apenas "comprar no Brasil, não comprar o Brasil". Tal postura rendeu tentativas de aproximação, assim como alertas, por parte do governo chinês, principal parceiro comercial do país.

Bolsonaro também indicou um maior alinhamento com os Estados Unidos do presidente Donald Trump, e atacou entidades multilaterais como a ONU, da qual o Brasil se retiraria. Sobraram ainda críticas ao Acordo de Paris e a desistência de sediar a COP25 em 2019.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247