Califórinia pode ser santuário contra a xenofobia de Trump

Parlamentares da Califórnia votaram neste sábado para proibir a polícia de pedir o status de imigrante de pessoas que foram presas e limitaram a cooperação com oficiais de imigração, tornando o estado mais populoso dos Estados Unidos em santuário

Parlamentares da Califórnia votaram neste sábado para proibir a polícia de pedir o status de imigrante de pessoas que foram presas e limitaram a cooperação com oficiais de imigração, tornando o estado mais populoso dos Estados Unidos em santuário
Parlamentares da Califórnia votaram neste sábado para proibir a polícia de pedir o status de imigrante de pessoas que foram presas e limitaram a cooperação com oficiais de imigração, tornando o estado mais populoso dos Estados Unidos em santuário (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

(Reuters) - Parlamentares da Califórnia votaram neste sábado para proibir a polícia de pedir o status de imigrante de pessoas que foram presas e limitaram a cooperação com oficiais de imigração, tornando o estado mais populoso dos Estados Unidos em santuário.

     A medida foi uma das inúmeras aprovadas no último dia da sessão da legislatura deste ano, colocando a Califórnia em oposição às políticas conservadoras do governo do presidente Donald Trump e pelo Congresso republicano.

     O governador republicano de Illinois assinou um projeto de lei no mês passado proibindo a prisão de pessoas simplesmente por causa do status de imigração ou por serem objeto de um mandado relacionado à imigração.

     (Reportagem de Brendan O‘Brien)

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email