Carro-bomba deixa mais de 40 feridos em supermercado na Tailândia

Militantes muçulmanos que lutam por um Estado independente no sul da Tailândia, país de maioria budista, são suspeitos de terem realizado um ataque com carro-bomba do lado de fora de um supermercado na cidade de Pattani que feriu 42 pessoas, disse a polícia; insurgência separatista nas províncias de maioria muçulmana de Yala, Pattani e Narathiwat deixou mais de 6,5 mil mortos desde 2004

Carro-bomba deixa mais de 40 feridos em supermercado na Tailândia
Carro-bomba deixa mais de 40 feridos em supermercado na Tailândia (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - Militantes muçulmanos que lutam por um Estado independente no sul da Tailândia, país de maioria budista, são suspeitos de terem realizado um ataque com carro-bomba do lado de fora de um supermercado na cidade de Pattani, nesta terça-feira, que feriu 42 pessoas, disse a polícia.

Uma insurgência separatista de décadas nas províncias de maioria muçulmana de Yala, Pattani e Narathiwat deixou mais de 6.500 mortos desde 2004, de acordo com o grupo independente de monitoramento Deep South Watch.

Dois dos 42 feridos ficaram em estado grave, de acordo com as autoridades.

O primeiro carro-bomba a explodir em Pattani desde agosto destruiu a fachada do supermercado Big-C, lançando destroços por uma área ampla e provocando uma coluna de fumaça escura.

Insurgentes muçulmanos são suspeitos pelo ataque, disse o subchefe de polícia de Pattani, Rewat Srichantub. O autor do ataque é considerado foragido, acrescentou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email