Cerca de mil migrantes morreram tentando atravessar Mediterrâneo em 2019, aponta ONU

Pelo menos mil migrantes já morreram em 2019 tentando atravessar o Mar Mediterrâneo, apontou nesta terça-feira (01) a Organização Internacional para as Migrações (OIM) da ONU

(Foto: REUTERS/Darrin Zammit Lupi)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Pelo menos mil migrantes já morreram em 2019 tentando atravessar o Mar Mediterrâneo, apontou nesta terça-feira (01) a Organização Internacional para as Migrações (OIM) da ONU. A agência confirmou a morte de 994 pessoas e está verificando relatos de 40 vítimas fatais em um naufrágio na costa do Marrocos no último final de semana.

Em nota, o porta-voz da OIM, Leonard Doyle, disse que "durante uma onda crescente de antimigração na política de todo o mundo, esse número chocante deve-se, em certa medida, a uma atitude de hostilidade total a migrantes que fogem da violência e da pobreza".

Embora os índices ainda sejam altos, a OIM aponta uma queda no número de vítimas desde 2014. Porém, segundo a agência, os registros caíram porque menos pessoas tentam atravessar, não porque o trajeto esteja mais seguro. "Alternativas seguras são urgentemente necessárias para os migrantes que buscam uma vida melhor", afirmou o órgão. Desde 2014, mais de 15 mil pessoas perderam a vida tentando a travessia.

Ilhas gregas

Ainda nesta terça-feira, a Agência da ONU para Refugiados (Acnur) pediu que a Grécia faça a transferência de milhares de migrantes das ilhas Egeias para locais mais seguros. Segundo a agência, estes migrantes estão em "centros de recepção superlotados".

Em setembro, as ilhas receberam 10.258 novos migrantes, especialmente de famílias afegãs e sírias. Esse é o maior número desde 2016. Nesse momento, mais de 30 mil migrantes estão vivendo nas ilhas gregas. Para a Acnur, "o apoio da União Europeia é crucial".

Em 2019, a Grécia registrou a maior parte das chegadas na região do Mediterrâneo. De um total de 77,4 mil migrantes, o país acolheu 45,6 mil pessoas, mais do que Espanha, Itália, Malta e Chipre juntos.

A situação nas ilhas de Lesbos, Samos e Kos é considerada crítica. O centro de Moria, em Lesbos, ultrapassou em cinco vezes sua capacidade. Em um assentamento informal próximo, 100 pessoas compartilham um único banheiro.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247