Chanceleres da Bolívia e Peru vão buscar saída para impasse na Unasul

Os presidentes da Bolívia, Evo Morales, e do Peru, Martín Vizcarra, demonstraram preocupação com a situação atual da União das Nações Sul-americanas (Unasul); Morales e Vizcarra encarregaram seus chanceleres de buscar consenso no grupo para eleição do novo secretário-Geral; o bloco vive um momento delicado desde a saída temporária de Brasil, Argentina, Paraguai, Colômbia, Chile e Peru

Os presidentes da Bolívia, Evo Morales, e do Peru, Martín Vizcarra, demonstraram preocupação com a situação atual da União das Nações Sul-americanas (Unasul); Morales e Vizcarra encarregaram seus chanceleres de buscar consenso no grupo para eleição do novo secretário-Geral; o bloco vive um momento delicado desde a saída temporária de Brasil, Argentina, Paraguai, Colômbia, Chile e Peru
Os presidentes da Bolívia, Evo Morales, e do Peru, Martín Vizcarra, demonstraram preocupação com a situação atual da União das Nações Sul-americanas (Unasul); Morales e Vizcarra encarregaram seus chanceleres de buscar consenso no grupo para eleição do novo secretário-Geral; o bloco vive um momento delicado desde a saída temporária de Brasil, Argentina, Paraguai, Colômbia, Chile e Peru (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Marcelo Brandão - Repórter da Agência Brasil*

Os presidentes da Bolívia, Evo Morales, e do Peru, Martín Vizcarra, demonstraram preocupação com a situação atual da União das Nações Sul-americanas (Unasul). Ontem (28), Morales e Vizcarra encarregaram seus chanceleres de buscar consenso no grupo para eleição do novo secretário-Geral. O bloco vive um momento delicado desde a saída temporária de Brasil, Argentina, Paraguai, Colômbia, Chile e Peru.

Vizcarra disse que o encontro com Morales serviu para pedir um esforço das chancelarias de Peru e Bolívia para encontrar "uma solução ao problema atual do grupo". Já Morales afirmou acreditar em um consenso. "É uma responsabilidade de nos manter integrados [...] Vamos chegar a um acordo, tenho a esperança". A Bolívia ocupa a presidência pró-tempore da Unasul.

A escolha do novo secretário-geral da Unasul está suspensa desde janeiro de 2017 e foi esse o motivo da saída dos cinco países. Venezuela, Bolívia, Suriname e Equador vetaram o nome do embaixador José Octávio Bordón, candidato argentino ao posto. Desde então, não houve avanços nas negociações por um nome de consenso.

"O que nós fizemos foi um apelo para que possamos superar os impasses que levaram à paralisia da Unasul. Há mais de ano estamos sem secretário-geral. É um desperdício de oportunidades de integração. Um desperdício de dinheiro, porque são muitos funcionários e é um prédio magnífico. Mas não está sendo utilizado", disse o chanceler do Brasil, Aloysio Nunes, em um evento, na última terça-feira (24).

A Unasul foi criada em 2008 com o objetivo de fortalecer as relações comerciais, culturais, políticas e sociais da região.

*Com informações da Agência Boliviana de Notícias

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247