Chefe da Anistia Internacional na Ucrânia renuncia após relatório sobre violações de Kiev

Na quarta-feira (3), a Anistia Internacional disse em relatório que as forças ucranianas estão montando bases militares em áreas residenciais, incluindo escolas e hospitais

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução)


Sputnik Brasil - A chefe do escritório ucraniano do grupo de direitos humanos Anistia Internacional, Oksana Pokalchuk, renunciou depois que a organização publicou um relatório sobre as táticas ucranianas que violam o direito internacional. A saída dela ocorreu nesta sexta-feira (5).

De acordo com a agência de notícias Strana.ua, Pokalchuk expressou desacordo com o relatório e anunciou sua renúncia.

Na quarta-feira (3), a Anistia Internacional disse no relatório que as forças ucranianas estão montando bases militares em áreas residenciais, incluindo escolas e hospitais, além de lançar ataques de territórios povoados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Documentamos um padrão de forças ucranianas colocando civis em risco e violando as leis da guerra quando operam em áreas populosas... Estar em uma posição defensiva não isenta os militares ucranianos de respeitar o direito internacional humanitário", disse a secretária-geral da Anistia Internacional, Agnès Callamard.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O relatório apontou que é preciso mitigar danos a civis.

"Todas as partes em um conflito devem sempre distinguir entre objetivos militares e objetos civis e tomar todas as precauções possíveis, inclusive na escolha de armas, para minimizar os danos civis", acrescentou a Anistia Internacional.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O presidente da Ucrânia, Vladimir Zelensky, criticou duramente o relatório, enquanto a secretária-geral da Anistia Internacional, Agnès Callamard, expressou seu apoio.

Os países ocidentais impuseram sanções a Moscou depois que a Rússia anunciou sua operação militar especial na Ucrânia, em 24 de fevereiro.

O presidente Vladimir Putin enfatizou que a operação visa desnazificar e desmilitarizar a Ucrânia e pôr fim ao conflito travado por Kiev há oito anos em Donbass.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Apenas alvos militares estão sob a mira das Forças Armadas da Rússia.

Os militares russos também organizam corredores humanitários para a população civil que foge da violência dos neonazistas e nacionalistas.

Como reflexo da decisão russa, as nações ocidentais aplicaram diversas baterias de sanções contra a Rússia, que resultaram em um grande aumento nos preços dos combustíveis, com os custos do gás e do carvão atingindo níveis recordes e forçando os países europeus a concordar com um acordo de redução de gastos de gás.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email