Chefe da Cruz Vermelha internacional denuncia: 'Bolsonaro subestimou vírus'

O Brasil está pagando um preço elevado pela politização da pandemia e o descaso com que Jair Bolsonaro tratou o surto do novo coronavírus. Francesco Rocca, presidente da Federação Internacional da Cruz Vermelha faz uma avaliação crítica severa da gestão do governo Bolsonaro em relação à pandemia da Covid-19

(Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "Vemos com preocupação o que ocorre com o Brasil", disse o presidente da Federação Internacional da Cruz Vermelha, o italiano, Francesco Rocca considerado como uma das personalidades mais experientes no campo de emergências sanitárias. "Bolsonaro subestimou e estamos vivendo as consequências", afirmou. "É muito triste", lamentou.

A informação é do jornalista Jamil Chade, especialista na cobertura de assuntos internacionais junto aos organismos da ONU em Genebra.

Segundo Rocca, ao colocar a economia como prioridade, a resposta no Brasil mostrou suas falhas. Dados da OIT nesta semana também confirmam que, enquanto o vírus não for barrado, a situação econômica e social deve apenas se deteriorar.

Rocca opina que a crise não atingiu seu pico e alerta que o período de inverno na América do Sul pode ampliar as contaminações.

"Estamos pagando um preço elevado de não seguir o que diz a comunidade científica", disse o presidente da Cruz Vermelha. "Precisamos ouvir a comunidade científica. As consequências estão aí", disse.

A esperança de Rocca é de que os governos sul-americanos e de outras partes do mundo finalmente entendam a importância de investir na infra-estrutura de Saúde. "Falamos sobre isso, gritamos até. Mas espero que, ao deixar a crise, vamos aprender com o que ocorreu", afirmou.

"Até o vírus foi politizado. Isso é ridículo. No futuro, vamos contar isso como a parte mais triste dessa crise", lamentou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247