Chegou a hora de devolver a ordem a Hong Kong, diz chefe de governo local

A chefe do governo local de Hong Kong, Carrie Lam Cheng Yuet disse em coletiva de imprensa nesta segunda-feira (5) que o recente caos levou a cidade “ao limiar de uma situação perigosa”, mas que o governo será resoluto em assegurar a ordem pública

Governadora Hong Kong
Governadora Hong Kong (Foto: Diário do Povo)

Diário do Povo On Line - A chefe do executivo de Hong Kong, Carrie Lam Cheng Yuet compareceu a uma coletiva de imprensa na segunda-feira. Lam comentou que o recente caos levou a cidade “ao limiar de uma situação perigosa”, mas que o governo será resoluto em assegurar a ordem pública.

Carrie Lam advertiu na segunda-feira que os atos de disrupção estão levando “a nossa cidade, a cidade que todos amamos e muitos ajudaram a construir, ao limiar de uma situação perigosa”.

Lam, assegurou tomar medidas resolutas para manter a lei e a ordem e restaurar a confiança na cidade. Ela disse que os protestos superaram a questão da agora arquivada lei da extradição e têm o mero propósito de desestabilizar a região administrativa especial, em deterimento das vidas e do futuro dos 7 milhões de residentes.

Lam disse que as ações dos manifestantes são uma provocação flagrante à soberania nacional e ao princípio “um país, dois sistemas”.

“Todos amamos Hong Kong e demos diferentes contributos para a sua estabilidade e prosperidade ao longo dos anos. Este é o momento para nos unirmos, colocarmos de lado as diferenças, repormos a ordem, e dizermos não ao caos e à violência”, afirmou.

Levará tempo para Hong Kong restaurar o que foi feito à sua economia, ritmo de vida e à sociedade, asseverou.

O secretário financeiro Paul Chan Mo-po, em declarações aos repórteres, advertiu que a economia de Hong Kong enfrenta grande perigo devido às tensões comerciais entre a China e os EUA, ao abrandamento econômico global e a outras variáveis internacionais. Localmente, vários negócios foram afetados. O crescimento econômico foi negativo no segundo semestre, e, se as coisas permanecerem inalteradas no último trimestre, Hong Kong entrará em recessão, avisou.

Em um comunicado emitido às 19h00 de segunda-feira, Tung Chee-hwa, vice-presidente do Comité Nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, anunciou o seu apoio ao governo da região administrativa especial e à polícia, pelo que considerarem ser necessário para assegurar o Estado de direito e para devolver a paz e a ordem.

Apesar de fortes críticas, os manifestantes planejam avançar com mais protestos. As manifestações de segunda-feira deixaram os transeuntes impotentes de conseguirem chegar ao trabalho durante a hora de ponta.

Ao meio dia, alterações ou suspensões haviam sido forçadas em 70 rotas de ônibus, após 15 ruas e três túneis terem sido bloqueados, segudo oficiais do departamento de transportes ao final de segunda-feira. Cerca de 100 semáforos foram vandalizados e os serviços estavam gradualmente sendo restaurados, lançando confusão e perigo para pedestres e veículos.

Alguns manifestantes colocaram trolleys e bicicletas nos carris do metro e usaram bombas de gasolina capazes de causar danos sérios e ferimentos, segundo os oficiais.

Conheça a TV 247

Mais de Mundo

Ao vivo na TV 247 Youtube 247