China diz aos EUA que responderá a todas as ameaças e provocações

Após a passagem de um contratorpedeiro dos EUA pelo Estreito de Taiwan, a China reagiu respondendo que responderá a todas as ameaças e provocações a qualquer momento. O navio de guerra dos EUA cruzou o estreito de Taiwan na quinta-feira, na primeira viagem de um navio da Marinha dos EUA por aquele mar em 2021

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A China afirmou que continua monitorando as manobras militares dos EUA no Estreito de Taiwan, alertando que o país está pronto para responder às ameaças e provocações dos EUA.

A este respeito, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, afirmou em entrevista coletiva que Pequim havia seguido atentamente a passagem de um navio de guerra dos EUA pelo Estreito de Taiwan na quinta-feira (4). 

"A China continuará a manter um alto nível de alerta o tempo todo, pronta para responder a todas as ameaças e provocações a qualquer momento, e defenderá resolutamente a soberania nacional e a integridade territorial", disse Wang. "Espera-se que os EUA joguem um papel construtivo para a paz e estabilidade regional, e não o contrário. "

Na quinta-feira, o contratorpedeiro de mísseis guiados USS John S. McCain cruzou o Estreito de Taiwan, a primeira viagem de um navio da Marinha dos EUA por aquele mar em 2021.

"O trânsito do navio pelo estreito de Taiwan demonstra o compromisso dos Estados Unidos com um Indo-Pacífico livre e aberto", disse o porta-voz da Sétima Frota, tenente Joe Keiley, descrevendo a manobra como 'rotina' que foi realizada "de acordo com a lei internacional". 

Pequim pediu repetidamente a Washington que respeite o princípio de "uma China" e não tome medidas que prejudiquem as relações entre os dois países, bem como a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan.

O trânsito de navios de guerra estadunidenses pelo estreito - manobra que a frota norte-americana realizou 13 vezes em 2020 - acirrou as tensões com a China, que acredita que Washington está usando Taiwan para se intrometer nos assuntos internos do gigante asiático.

O novo Gabinete dos EUA aparentemente vai seguir os passos da administração Trump. Poucos dias depois de o presidente Joe Biden assumir o cargo, um grupo de porta-aviões estadunidenses liderados pelo USS Theodore Roosevelt e três navios de guerra entraram no Mar da China Meridional. O Exército dos EUA alegou que a medida era para promover a "liberdade dos mares", informa a RT.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email