China pede que EUA façam um gesto de diálogo para a Coreia do Norte

A China fez nesta quinta-feira um apelo aos Estados Unidos para que respondam positivamente ao pedido de diálogo da Coreia do Norte e destacou que a política de "pressão máxima não funciona"

(Foto: KCNA via REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

AFP - A China fez  nesta quinta-feira (12) um apelo ao governo dos Estados Unidos para que responda positivamente ao pedido de diálogo da Coreia do Norte e destacou que a política de "pressão máxima não funciona".

O ministro chinês das Relações Exteriores, Wang Yi, reiterou ainda o pedido à ONU por um debate sobre a retirada das sanções contra Pyongyang.

A Coreia do Norte declarou na segunda-feira que deseja manter reuniões de trabalho com os Estados Unidos, mas advertiu que Washington deve flexibilizar sua posição.

"Gostaríamos muito da retomada do diálogo entre Coreia do Norte e Estados Unidos", disse Wang Yi.

Sem citar diretamente Washington, Wang Yi denunciou o "enfoque que consiste unicamente em apresentar à outra parte uma lista de condições e exercer uma pressão máxima para obter concessões".

"Isto nunca funcionou", destacou.

O líder norte-coreano Kim Jong Un e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, já se reuniram três vezes. No primeiro encontro, ano passado em Singapura, assinaram um documento vago que citava a "completa desnuclearização da Península Coreana".

Apesar de uma segunda reunião no Vietnã e um breve encontro na Zona Desmilitarizada que divide a Península Coreana, as negociações ainda não foram retomadas.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email