China pede que Índia se una a esforços para conter perseguição dos EUA

Responder às práticas de perseguição e de protecionismo comercial de Washington é uma questão importante não só para Pequim, mas também para toda a economia mundial, disse o vice-chanceler chinês, Zhang Hanhui

China pede que Índia se una a esforços para conter perseguição dos EUA

Sputnik - Responder às práticas de perseguição e de protecionismo comercial de Washington é uma questão importante não só para Pequim, mas também para toda a economia mundial, disse o vice-chanceler chinês, Zhang Hanhui.

As autoridade chinesas convidaram o governo da Índia a se somar aos esforços para combater as práticas unilaterais e protecionistas implementadas pelos EUA.

Nas vésperas da reunião entre o presidente da China Xi Jinping, e o primeiro-ministro da Índia Narendra Modi, no âmbito da nova cúpula da Organização de Cooperação de Xangai, que irá começar no Quirguistão nesta quinta-feira (13), o vice-chanceler chinês Zhang Hanhui salientou que as tensões comerciais entre o seu país e os EUA e "o aparecimento de fricções comerciais entre os EUA e a Índia" poderiam ser um "tema importante" das conversações.

"O protecionismo comercial e o unilateralismo estão aumentando", disse Zhang na segunda-feira (10) em uma coletiva de imprensa, adicionando que encontrar maneiras de "responder às práticas de perseguição" e de "protecionismo comercial" por parte de Washington "é uma questão importante" não só para Pequim, mas também para "a recuperação e o crescimento da economia mundial".

Por isso, "seria útil que todos os líderes trocassem opiniões" a este respeito, sublinhou o vice-ministro das Relações Exteriores. Zhang também manifestou esperança de que essas conversações conduzam "a um consenso amplo para defender a justiça e se opor ao protecionismo comercial".

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

247 faz apelo por debate responsável na internet

Conheça a TV 247

Mais de Mundo

Mundo

Trump chega ao G20 atacando a China

O presidente dos EUA, Donald Trump, declarou que, se não houver acordo, poderá estudar a imposição de 10% em tarifas aduaneiras sobre US$ 300 bilhões adicionais em importados chineses. Os dois...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247