China poderá se livrar de títulos do Tesouro dos EUA

A China pode gradualmente reduzir suas retenções de títulos do Tesouro dos EUA para cerca de US$ 800 bilhões (R$ 4,23 trilhões) do nível atual de mais de US$ 1 trilhão (R$ 5,29 trilhões)

China pode reduzir posse de títulos em dólar do Tesouro americano
China pode reduzir posse de títulos em dólar do Tesouro americano (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - A China pode reduzir a posse de títulos do Tesouro americano assim que a bolha do déficit federal dos EUA aumente os riscos de inadimplência (incumprimento de pagamento) e a administração Trump continue atacando intensamente a China, afirmam especialistas.

A China, que é o segundo maior detentor do mundo de dívida dos EUA, tem vindo sistematicamente a reduzir suas participações em obrigações estadunidenses.

Nos primeiros seis meses deste ano, Pequim liquidou títulos do Tesouro dos EUA no valor de US$ 106 bilhões (R$ 561 bilhões). Em termos anuais as participações da China em títulos dos EUA caíram cerca de 3,4% no final de junho.

"China vai reduzir gradualmente suas retenções de dívida dos EUA para cerca de US$ 800 bilhões sob circunstâncias normais. Mas é claro que a China poderia vender todos seus títulos dos EUA em caso extremo, como um conflito militar", disse Xi Junyang, professor da Universidade de Finanças e Economia de Xangai, ao jornal chinês Global Times.

Outra razão da potencial medida de Pequim é o risco de incumprimento de pagamento por parte dos EUA, sendo que se estima que a dívida da maior economia do mundo ascenderá este ano até atingir aproximadamente a mesma dimensão de seu produto interno bruto, um nível que não é visto desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

Além disso, segundo estimativas do analista Zhou Maohua, do Everbright Bank, no longo prazo "muitos países vão diversificar seus ativos de reserva para reduzir a dependência dos ativos em dólares dos EUA, já que procuram minimizar os riscos causados pelo aumento da dívida dos EUA e sua transição para o protecionismo".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email