China protesta contra provocação dos EUA em suas águas territoriais

O Ministério da Defesa da China protestou contra a presença de uma embarcação dos EUA em suas águas territoriais, considerando que se trata de uma violação do direito internacional e de sua soberania nacional

O Ministério da Defesa da China protestou contra a presença de uma embarcação dos EUA em suas águas territoriais, considerando que se trata de uma violação do direito internacional e de sua soberania nacional
O Ministério da Defesa da China protestou contra a presença de uma embarcação dos EUA em suas águas territoriais, considerando que se trata de uma violação do direito internacional e de sua soberania nacional (Foto: Reinaldo)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247, com Diário do Povo on line - A China se opõe firmemente à presença de dois navios de guerra estadunidenses, que invadiram suas águas territoriais nas ilhas Xisha, afirmou Wu Qian, porta-voz do Ministério da Defesa Nacional.

Sem a permissão do governo chinês, os dois navios de guerra dos EUA, Antietam e Higgins, invadiram neste domingo (27), as águas territoriais da China nas Ilhas Xisha, informou o porta-voz. A marinha chinesa enviou embarcações e aeronaves imediatamente para os identificar, avisar e expulsar.

As Ilhas Xisha são território inerente da China. A China anunciou a linha de base das águas territoriais das Ilhas Xisha em 1996, de acordo com a Lei da República Popular da China no Mar Territorial e na Zona Contígua.

A provocação dos EUA, ao enviar navios de guerra para invadir as águas territoriais da China, violou as leis internacionais chinesas e a soberania da China, bem como prejudicou a confiança mútua estratégica entre as forças armadas dos dois países, afetando a paz, a segurança e a ordem da região marítima.

A China fortalecerá a prontidão de combate das suas forças aérea e naval, aumentará a sua capacidade de defesa, salvaguardará a soberania e segurança nacional e manterá a paz e estabilidade regionais.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247