Cientistas dos EUA e do Reino Unido ganham Nobel de Medicina

A descoberta que rendeu o prêmio aos cientistas aborda como células se comportam com níveis flutuantes de oxigênio. Esta informação pode abrir caminho para novos métodos de combate ao câncer, por exemplo

Anúncio dos ganhadores do Nobel de Medicina
Anúncio dos ganhadores do Nobel de Medicina (Foto: Pontus Lundahl/TT News Agency/via REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - Dois cientistas dos Estados Unidos e um do Reino Unido ganharam o Nobel de Medicina deste ano por descobrirem como células se adaptam aos níveis flutuantes de oxigênio, abrindo caminho para novas estratégias de combate a doenças como anemia e câncer.

O comitê do Nobel disse que os pesquisadores norte-americanos William Kaelin e Gregg Semenza dividem o prêmio igualmente com o britânico Peter Ratcliffe.

“As produtivas descobertas dos ganhadores do Nobel deste ano revelaram o mecanismo para um dos processos adaptativos mais essenciais da vida”, disse a Assembleia do Nobel do Instituto Karolinska, na Suécia, em um comunicado ao conceder o prêmio de 913 mil dólares.

A pesquisa dos cientistas estabeleceu a base para compreender como os níveis de oxigênio afetam o metabolismo celular e as funções fisiológicas, informou o instituto.

“A detecção de oxigênio é central para um grande número de doenças”, acrescentou. “Os intensos esforços contínuos em laboratórios acadêmicos e empresas farmacêuticas estão agora focados no desenvolvimento de medicamentos que podem interferir em diferentes estágios de doenças, ativando ou bloqueando o mecanismo de detecção de oxigênio”.

Medicina é a primeira categoria do Nobel a ser anunciada a cada ano. Contribuições para a ciência, a paz e a literatura são reconhecidas desde 1901 pelo prêmio Nobel, instituído pelo testamento do cientista e empresário sueco Alfred Nobel, inventor da dinamite.

Os ganhadores do Nobel de Medicina incluem nomes como Alexander Fleming, descobridor da penicilina, e Karl Landsteiner, que identificou diferentes tipos sanguíneos, o que permitiu que a segurança nas transfusões de sangue se perpetuasse.

No ano passado, o norte-americano James Allison e o japonês Tasuku Honjo dividiram o prêmio por suas descobertas sobre como fortalecer o sistema imunológico durante tratamentos contra o câncer.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247