Colorado abre era da maconha livre nos EUA

No primeiro dia de 2014, estão sendo abertos os primeiros clubes recreativos para consumo de maconha nos Estados Unidos, no estado do Colorado; autoridades locais esperam que esse mercado gere US$ 578 milhões por ano, incluindo US$ 67 milhões em tributos; a maconha continua ilegal pela lei federal, mas o governo de Barack Obama tem dito que vai dar aos estados a liberdade para ter os seus próprios estatutos para uso recreacional; ou seja, assim como no Uruguai, de José Mujica, o tabu da maconha começa a ser derrubado

No primeiro dia de 2014, estão sendo abertos os primeiros clubes recreativos para consumo de maconha nos Estados Unidos, no estado do Colorado; autoridades locais esperam que esse mercado gere US$ 578 milhões por ano, incluindo US$ 67 milhões em tributos; a maconha continua ilegal pela lei federal, mas o governo de Barack Obama tem dito que vai dar aos estados a liberdade para ter os seus próprios estatutos para uso recreacional; ou seja, assim como no Uruguai, de José Mujica, o tabu da maconha começa a ser derrubado
No primeiro dia de 2014, estão sendo abertos os primeiros clubes recreativos para consumo de maconha nos Estados Unidos, no estado do Colorado; autoridades locais esperam que esse mercado gere US$ 578 milhões por ano, incluindo US$ 67 milhões em tributos; a maconha continua ilegal pela lei federal, mas o governo de Barack Obama tem dito que vai dar aos estados a liberdade para ter os seus próprios estatutos para uso recreacional; ou seja, assim como no Uruguai, de José Mujica, o tabu da maconha começa a ser derrubado (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Keith Coffman

DENVER, 1 Jan (Reuters) - Proprietários das primeiras lojas de maconha licenciadas para vender a droga para uso recreacional em Colorado, nos Estados Unidos, se ocupavam em preparar os cigarros e estocar a erva antes do início das vendas nesta quarta-feira, evento que marca um novo capítulo na cultura norte-americana relacionada a drogas.

Treze antigos dispensários médicos de maconha, liberados pelas autoridades para vender a droga para consumidores interessados em nada mais do que alterar o seu estado mental e de humor, devem começar a receber os clientes no início da manhã desta quarta-feira.

Ao iniciarem as suas atividades, eles estarão lançando um mercado de maconha sem precedentes, que as autoridades de Colorado esperam que gere 578 milhões de dólares por ano, incluindo 67 milhões em tributos para o Estado.

A posse, o plantio e o consumo recreacional privado e pessoal de maconha para adultos é legal no Colorado há mais de um ano, depois da aprovação num referendo.

No entanto, a partir do primeiro dia de 2014, a maconha será produzida e vendida ao público legalmente e recolherá impostos num sistema semelhante ao que muitos Estados dos EUA implementam para a venda de álcool, mas que nunca foi aplicado em nenhum lugar do mundo para a erva.

Os primeiros comerciantes em Denver e em algumas outras localidades, por conta da novidade, esperam ter uma demanda inicial alta dos consumidores.

"Esperamos ter 2 mil cigarros prontos quando abrirmos", disse Robin Hackett, 51, uma das comerciantes com negócio em Denver, que espera receber entre 800 e mil pessoas na sua loja no primeiro dia do ano.

Ela tem em estoque 23 quilos de maconha e vai limitar a quantidade que cada pessoa pode comprar nesta quarta-feira para evitar a falta do produto.

A maconha continua ilegal pela lei federal, mas o governo de Barack Obama tem dito que vai dar aos Estados a liberdade para ter os seus próprios estatutos para uso recreacional.

(Redação e reportagem adicional por Steve Gorman)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247