Comandante do Pentágono vai ao Iraque para reforçar presença militar dos EUA

O secretário interino de Defesa dos Estados Unidos, Patrick Shanahan, desembarcou nesta terça-feira (12) em Bagdá para uma visita surpresa, durante a qual vai conversar com autoridades locais sobre a presença militar americana no país após a retirada das tropas da Síria; Patrick Shanahan, que faz sua primeira viagem internacional desde a nomeação em janeiro, chegou a Bagdá procedente do Afeganistão

Comandante do Pentágono vai ao Iraque para reforçar presença militar dos EUA
Comandante do Pentágono vai ao Iraque para reforçar presença militar dos EUA
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247, com AFP - O secretário interino de Defesa dos Estados Unidos, Patrick Shanahan, desembarcou nesta terça-feira (12) em Bagdá para uma visita surpresa, durante a qual vai conversar com autoridades locais sobre a presença militar americana no país após a retirada das tropas da Síria. Patrick Shanahan, que faz sua primeira viagem internacional desde a nomeação em janeiro, chegou a Bagdá procedente do Afeganistão.

Shanahan deseja tranquilizar as autoridades iraquianas sobre as intenções do Pentágono após as declarações do presidente Donald Trump sobre a "vigilância" do Irã a partir do Iraque.

As declarações de Trump deram um novo impulso à campanha dos que exigem a retirada das tropas americanas.

As forças dos Estados Unidos invadiram o Iraque em 2003 e derrubaram o presidente Saddam Hussein, provocando uma insurreição de parte da população.

Em 2011, Washington, que chegou a mobilizar 170 mil soldados em território iraquiano, se retirou do país.

Três anos depois, no entanto, o governo estadunidense voltou a enviar tropas ao Iraque para combater o grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Há um ano, o governo iraquiano proclamou vitória contra o EI e, desde então, muitas forças, em particular as favoráveis ao Irã, exigem que as tropas estadunidenses deixem o Iraque.

O Parlamento recebeu há alguns dias um projeto de lei que estabelece um calendário de retirada dessas tropas.

Esta lei poderia ser apoiada pelas duas principais forças políticas do país, a chapa dirigida pelo líder xiita Moqtada Sadr, defensor da independência do Iraque, e o bloco pró-Irã apoiado pelas milícias que lutaram contra o EI ao lado das Forças Armadas nacionais.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247