Comércio da China com países do novo Cinturão e Rota da seda supera US$ 6 trilhões

O volume de comércio de bens entre a China e países e regiões ao longo da Iniciativa do Cinturão e Rota ultrapassou US$ 6 trilhões de 2013 e 2018, de acordo com a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma

Comércio da China com países do novo Cinturão e Rota da seda supera US$ 6 trilhões
Comércio da China com países do novo Cinturão e Rota da seda supera US$ 6 trilhões
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Xinhua - O volume de comércio de bens entre a China e países e regiões ao longo da Iniciativa do Cinturão e Rota ultrapassou US$ 6 trilhões de 2013 e 2018, de acordo com a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma.

Nos últimos seis anos, a China assinou 173 documentos de cooperação com 125 países, incluindo os desenvolvidos e em desenvolvimento, e 29 organizações internacionais.

Muitas empresas e instituições financeiras dos países desenvolvidos também fizeram uma parceria com a China para explorar oportunidades nos mercados de terceiros, segundo a instituição.

Quanto à conectividade de infraestrutura, projetos como a Ferrovia China-Laos, a Ferrovia China-Tailândia e o Porto de Piraeus estão progredindo sem percalços.

Os trens de carga China-Europa, conectando a China com 50 cidades em 15 países europeus, fizeram mais de 14 mil viagens até o final de março, informou o porta-voz da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma, Yuan Da.

Em termos de conectividade financeira, a China assinou acordos de swap cambial com 20 países ao longo do Cinturão e Rota e formou acordos de liquidação da moeda chinesa com sete países, acrescentou.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247