Comissão de Feliciano aprova moção de repúdio a Maduro

A proposta foi apresentada pelo deputado João Campos (PSDB-GO), pois, segundo o parlamentar, presidente em exercício da Venezuela teria feito insinuações sobre a sexualidade de seu adversário nas eleições presidenciais, Henrique Capriles

Comissão de Feliciano aprova moção de repúdio a Maduro
Comissão de Feliciano aprova moção de repúdio a Maduro
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Opera Mundi - Durante a primeira reunião ordinária da CDHM (Comissão de Direitos Humanos e Minorias) nesta quarta-feira (03/04), foi aprovada uma moção de repúdio ao presidente em exercício da Venezuela, Nicolás Maduro, por homofobia.

A sessão da CDHM, presidida pelo deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP), foi novamente conturbada, com manifestantes contrários à sua permanência na comissão impedidos de entrar. Assim, o evento foi realizado a portas fechadas e sem transmissão pela internet.

A proposta de repúdio a Nicolás Maduro foi apresentada pelo deputado João Campos (PSDB-GO), pois, segundo o parlamentar, Maduro teria feito insinuações sobre a sexualidade de seu adversário nas eleições presidenciais venezuelanas, Henrique Capriles. Durante um discurso em Caracas, no dia 12 de março, Maduro falou: "Eu, sim, tenho mulher, escutaram? Eu gosto de mulheres". Após a afirmação, o presidente em exercício beijou sua mulher e então procuradora-geral da Venezuela, Cília Flores.

O repúdio apresentado por Campos foi a primeira matéria apreciada na reunião da CDHM e acabou aprovada por unanimidade em votação simbólica. Isso ocorreu, no entanto, porque deputados do PT e do PSOL não têm comparecido às sessões da comissão para boicotar Feliciano.

O deputado federal é alvo de protestos constantes desde que foi eleito presidente da CDHM, no dia 7 de março. Os manifestantes contrários a Feliciano argumentam que não é adequado que ele ocupe o cargo por já ter dado declarações consideradas racistas e homofóbicas.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247