Como a América Latina chega à 74ª Assembléia Geral da ONU?

Os países da região chegam sem uma causa comum a esta sessão de debates de alto nível da Assembléia Geral do mais alto órgão mundial

Assembleia Geral da ONU
Assembleia Geral da ONU (Foto: Telesur)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Telesur - Nesta terça-feira (24), inicia-se o debate de alto nível da 74ª Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), com a participação de dezenas de chefes de Estado e de governo, além de ministros e chanceleres, para discutir as questões que focalizam essas sessões: mudança climática, redução da pobreza e inclusão educacional. 

No entanto, outras questões da situação internacional estarão presentes durante as intervenções dos governantes.  No nível latino-americano, destacam-se a crise ecológica desencadeada pelos incêndios que devastaram a Amazônia brasileira, a campanha de agressão contra o governo da Venezuela e o retorno às armas por uma fração das Forças Armadas Revolucionárias desmobilizadas da Colômbia (FARC).  

América Latina dividida  

Os países da América Latina chegam sem uma causa comum a esses debates de alto nível da Assembléia Geral da ONU e enfrentam-se em vários níveis.  

O presidente de extrema-direita do Brasil, Jair Bolsonaro, faz o discurso de abertura, e já anunciou que na sessão defenderá a soberania sobre a Amazônia brasileira, depois de ter rejeitado a assistência internacional para combater os incêndios que danificaram milhares de hectares da floresta tropical  Bolsonaro resumirá o Pacto de Letícia, um acordo para proteger a selva assinado no início de setembro na cidade colombiana de Letícia pelos governos do Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Peru, Suriname e Guiana, que - juntamente com a Venezuela - fazem parte da bacia amazônica.  

Desse pacto, o governo da Venezuela foi excluído "devido a diferenças ideológicas" de alguns membros desse bloco.  

Venezuela defenderá o diálogo  

O governo da Venezuela será representado na 74ª Assembléia Geral da ONU pela vice-presidente Delcy Rodríguez e pelo ministro das Relações Exteriores Jorge Arreaza, que disseram que afirmarão que a solução para os problemas venezuelanos é o diálogo.  

"O presidente Nicolás Maduro ativou a Mesa Nacional de Diálogo. Hoje (23 de setembro) foram criados oito grupos de trabalho, todos dentro da estrutura do diálogo e ainda assim atacam a Venezuela", afirmou Arreaza.  

O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, que já está em Nova York, participou na segunda-feira de uma reunião do Conselho Político da Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América - Tratado de Comércio dos Povos (ALBA-TCP), bloco de países da América Latina e do Caribe que apóiam o governo do presidente Nicolás Maduro.  

No entanto, outro grupo de países da região, liderado pela Colômbia, ativou - dentro da Organização dos Estados Americanos (OEA) - o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR), considerado por Arreaza como “uma instância de caráter militares "e ameaçando a paz e a segurança" da Venezuela e da região ".  Argentina, Bahamas, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Haiti, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru e República Dominicana, além dos Estados Unidos, ativaram o órgão de consulta do TIAR.  

Trinidad e Tobago se absteve de participar desse mecanismo, enquanto o Uruguai e o México expressaram sua rejeição.  

Para o analista Javier Tolcachier, o governo dos EUA e "seus governos satélites", com o TIAR, desenterraram "um instrumento anacrônico de hegemonia continental", "em um novo ato da saga de conspiração agressiva contra a República Bolivariana da Venezuela.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email