Conselheiro de Trump renuncia após denúncia de conchavo com a Rússia

Michael Flynn era considerado um dos principais promotores da melhoria de relações entre a Rússia e os Estados Unidos; militar, porém, foi acusado por veículos de imprensa dos EUA de ter se reunido com o embaixador russo, Sergey Kislyak, antes mesmo de ter assumido o cargo para discutir o fim das sanções contra a Rússia

Michael Flynn, conselheiro militar eua
Michael Flynn, conselheiro militar eua (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Sputnik Brasil

Michael Flynn era considerado um dos principais promotores da melhoria de relações entre a Rússia e os Estados Unidos. O militar, porém, foi acusado por veículos de imprensa dos EUA de ter se reunido com o embaixador russo, Sergey Kislyak, antes mesmo de ter assumido o cargo para discutir o fim das sanções contra a Rússia.

Na carta de renúncia, o agora ex-conselheiro de Trump se justifica dizendo que, antes de assumir, ele conversou com dezenas de embaixadores, ministros e homólogos estrangeiros.

"Essas ligações foram realizadas para facilitar uma transição suave e para iniciar a construção de relações necessárias entre o Presidente, seus conselheiros e líderes estrangeiros. Ligações assim são prática padrão em qualquer transição desta magnitude. Infelizmente, dada a velocidade dos eventos, eu inadvertidamente repassei informações incompletas ao vice-presidente [Mike Pence] acerca das ligações com o embaixador da Rússia. Eu pedi sinceras desculpas ao Presidente e ao vice-presidente e eles aceitaram", diz Flynn no texto.

As acusações contra o militar, que já repercutiam na mídia americana ao longo de todo o fim de semana, se tornaram ainda mais delicadas depois de uma nova reportagem do The Washington Post mostrando que a ex-procuradora-geral Sally Yates advertiu a Casa Branca de que Flynn "havia induzido funcionários do Departamento de Justiça ao erro quanto a correspondência dele com o embaixador da Rússia".
Yates foi demitida por Trump no final de janeiro depois de desafiar a proibição de viagem a sete países de maioria islâmica.

Donald Trump nomeou o Tenente-General Joseph Keith Kellogg como o conselheiro de segurança nacional interino. Um novo ocupante do posto vai precisar passar por nova sabatina no Senado dos EUA.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247