Conselho de Segurança da ONU põe na pauta situação no Oriente Médio, com destaque para questão palestina

O Conselho de Segurança da ONU dedicará nesta segunda-feira uma sessão de informação e depois uma consulta a portas fechadas para tratar da situação no Oriente Médio e, especialmente, da questão palestina

Conselho de Segurança da ONU 
Conselho de Segurança da ONU  (Foto: REUTERS/Eduardo Munoz)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Conselho de Segurança da ONU vai tratar com prioridade nesta segunda-feira (21) a questão do Oriente Médio, destacadamente o tema da ocupação ilegal de Israel na Palestina. 

A sessão tratará de vários pontos da resolução 2334 do Conselho, que se refere a assentamentos israelenses ilegais em territórios palestinos ocupados desde 1967, de acordo com a agenda divulgada, informa a Prensa Latina.

No início deste mês, o secretário-geral da ONU, António Guterres, expressou grande preocupação sobre as realidades sombrias no território palestino ocupado e a diminuição das perspectivas de resolução do conflito.

Este é um tema que ocupa as Nações Unidas desde a sua criação e que agora se agrava em meio à pandemia Covid-19, destacou Guterres em evento virtual por ocasião do Dia Internacional de Solidariedade ao Povo Palestino.

A suspensão dos planos de anexação por parte de Israel para partes da Cisjordânia removeu, por enquanto, uma ameaça crítica à paz e estabilidade regional, dizia a manchete.

Mas no terreno, acrescentou o diplomata português, a expansão dos assentamentos israelitas continua.

Demolições e apreensões de estruturas de propriedade de palestinos por autoridades de Tel Aviv em toda a Cisjordânia ocupada, incluindo Jerusalém Oriental, atingiram a maior taxa documentada em quatro anos, alertou Guterres.

Essas ações são contrárias ao direito internacional e minam as perspectivas de estabelecer um Estado palestino viável e contíguo, denunciou.

Também observou que os atos de violência persistem, a constante ameaça de uma escalada na Faixa de Gaza, as restrições de movimento e acesso, incitamento e violações dos direitos humanos.

O chefe da ONU também se referiu a uma violenta escalada na região e ao sofrimento causado à população civil palestina pelos fechamentos rígidos promovidos por Tel Aviv.

Guterres exortou as partes a iniciarem negociações significativas, com o apoio da comunidade internacional, com vista a uma solução de dois Estados.

"Somente uma solução de dois Estados que atenda às aspirações nacionais legítimas de palestinos e israelenses pode levar a uma paz sustentável."

A criação e o reconhecimento do Estado Palestino é um dos mais antigos pendentes nas Nações Unidas, embora um Estado de Israel já exista há 70 anos.

Desde 2012, a Palestina foi reconhecida como um estado observador não membro da ONU graças a uma resolução da Assembleia Geral, adotada por 138 votos a favor, 41 abstenções e nove votos contra.

A maior parte da comunidade internacional concorda que é Tel Aviv que deve encerrar a colonização do território palestino para avançar em direção à paz, e que apenas uma solução de dois Estados pode trazer estabilidade à região.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email