Conselho Mundial da Paz condena bloqueio e sanções contra Cuba

''Queremos expressar nosso irrestrito apoio ao povo e à nação cubana que está sendo vítima da mais odiosa perseguição por parte dos Estados Unidos e de seu presidente Donald Trump'', afirma a presidenta do Conselho Mundial da Paz (CMP), Socorro Gomes

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Prensa Latina - O Conselho Mundial da Paz (CMP) reiterou nesta segunda-feira (1) sua condenação ao bloqueio e às novas sanções impostas por Estados Unidos contra Cuba que pretendem destruir sua revolução. ''Queremos expressar nosso irrestrito apoio ao povo e à nação cubana que está sendo vítima da mais odiosa perseguição por parte dos Estados Unidos e de seu presidente Donald Trump'', afirma a presidenta do CMP, Socorro Gomes, em um breve vídeo enviado ao escritório da Prensa Latina em Brasília.

A pacifista e política brasileira denúncia que Trump 'implementa o artigo III da Lei Helms-Burton para estrangular a economia cubana e instalar o sofrimento e o caos, com o objetivo de destruir a Revolução cubana'.

Assegura que o anterior 'seria impossível porque a Revolução cubana há 60 anos enfrenta um genocida bloqueio dos Estados Unidos e se mantém com sua bandeira de autodeterminação, de autodefesa do Estado soberano e socialista. Sabemos que uma vez mais o povo cubano vencerá', destaca.

Gomes reitera na representação audiovisual sua indignação por 'a atitude criminosa dos Estados Unidos que tenta destruir uma nação soberana que vive em paz e tenta repartir para todos os frutos e riquezas de seu povo'.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247