Cuba inicia coleta de assinaturas pela liberdade de Lula

O governo cubano anunciou nesta terça-feira (15) o início de uma campanha para coletar assinaturas em um abaixo-assinado que pede a liberdade imediata ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

(Foto: Rafael Ribeiro)

Brasil de Fato - O governo cubano anunciou nesta terça-feira (15) o início de uma campanha para coletar assinaturas em um abaixo-assinado que pede a liberdade imediata ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso na sede da Polícia Federal em Curitiba desde abril de 2018.

A coleta de assinaturas, que faz parte da campanha internacional pela liberdade do ex-presidente, acontecerá em diversos postos de trabalho, escolas e associações civis até o dia 28 de outubro. 

Pelo Twitter, o presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, afirmou que, "com nossas assinaturas, exigiremos a imediata liberdade de Lula da Silva".

Durante a jornada de assinaturas ainda serão realizados atos e manifestações de solidariedade ao ex-presidente brasileiro e contra a "estratégia do imperialismo, com a cumplicidade da direita regional, para desacreditar os líderes progressistas".

Segundo o jornal Granma, "também serão rechaçadas as medidas do presidente Jair Bolsonaro contra o povo do Brasil e suas declarações contra Cuba e contra nossa colaboração médica".

Após o fim da campanha, as assinaturas serão entregues pelo Instituto Cubano de Amizade com os Povos à delegação brasileira que participará do Encontro Anti-imperialista de Solidariedade pela Democracia e contra o Neoliberalismo, que acontecerá entre os dias 1º e 3 de novembro em Havana, capital de Cuba.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247