De partida para os EUA, papa prega reaproximação entre cubanos

Papa Francisco encerra nesta terça-feira uma visita de três dias a Cuba; viagem papal é o ápice do auxílio prestado por Francisco nos esforços para promover uma reaproximação do país caribenho com EUA, que romperam relações diplomáticas há 53 anos;  em uma de suas última smensages em solo cubano, ele rezou na segunda-feira pela reconciliação entre todos os cubanos, incluindo os exilados; estimativa é que mais de 2 milhões de cubanos tenham deixado a ilha desde a Revolução Cubana, em 1959; próxima etapa da viagem será os Estados Unidos, onde o papa deverá encontrar-se com o presidente Barack Obama

Papa Francisco encerra nesta terça-feira uma visita de três dias a Cuba; viagem papal é o ápice do auxílio prestado por Francisco nos esforços para promover uma reaproximação do país caribenho com EUA, que romperam relações diplomáticas há 53 anos;  em uma de suas última smensages em solo cubano, ele rezou na segunda-feira pela reconciliação entre todos os cubanos, incluindo os exilados; estimativa é que mais de 2 milhões de cubanos tenham deixado a ilha desde a Revolução Cubana, em 1959; próxima etapa da viagem será os Estados Unidos, onde o papa deverá encontrar-se com o presidente Barack Obama
Papa Francisco encerra nesta terça-feira uma visita de três dias a Cuba; viagem papal é o ápice do auxílio prestado por Francisco nos esforços para promover uma reaproximação do país caribenho com EUA, que romperam relações diplomáticas há 53 anos;  em uma de suas última smensages em solo cubano, ele rezou na segunda-feira pela reconciliação entre todos os cubanos, incluindo os exilados; estimativa é que mais de 2 milhões de cubanos tenham deixado a ilha desde a Revolução Cubana, em 1959; próxima etapa da viagem será os Estados Unidos, onde o papa deverá encontrar-se com o presidente Barack Obama (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - O papa Francisco conclui uma visita a Cuba nesta terça-feira e se encaminha para os Estados Unidos, fazendo assim uma ligação entre os dois adversários de longa data que iniciaram uma abertura nas relações bilaterais com mediação do pontífice.

O papa argentino, de 78 anos, vai celebrar uma missa no santuário de Nossa Senhora da Caridade do Cobre, o mais sagrado do país e também venerado por não católicos e praticantes de religiões afro-cubanas com diferentes graus de aproximação com o catolicismo.

No santuário, no povoado de El Cobre, Francisco rezou na segunda-feira pela reconciliação entre todos os cubanos, tanto os que vivem no país como os espalhados pelo mundo.

Estima-se que 2 milhões de cubanos tenham deixado a ilha desde a Revolução Cubana, em 1959, e cerca de 1,3 milhão vivam atualmente no exterior, a maioria nos Estados Unidos, onde muitos exilados continuam mantendo uma relação ressentida com a terra natal.

Há grande expectativa quanto ao que Francisco dirá nos Estados Unidos, onde se reunirá com o presidente Barack Obama e fará o primeiro pronunciamento de um papa perante o Congresso, além de falar também na Organização das Nações Unidas (ONU).

O papa evitou fazer em Cuba declarações políticas ostensivas, que os dissidentes esperavam que ele fizesse, mas usou suas homilias para enviar mensagens ligadas à espiritualidade e sobre a necessidade de mudanças no país comunista, de partido único.

O pontífice pediu aos cubanos que pensem com maior abertura e sejam tolerantes às ideias de outras pessoas. Em uma missa na segunda-feira para dezenas de milhares de pessoas na cidade de Holguín, no leste da ilha, ele exortou seus ouvintes "a não se satisfazerem com a aparência ou com o que for politicamente correto".

A abordagem mais suave, um contraste com a adotada por seus dois antecessores imediatos quando visitaram Cuba, parece impulsionada por um desejo de incentivar calmamente os cubanos em um momento delicado após a retomada das relações diplomáticas com os Estados Unidos. Enquanto isso, a Igreja cubana está discretamente negociando mais espaço para a sua missão religiosa.

"Ele falou com clareza, discrição e moderação", disse o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, aos jornalistas, quando perguntado por que o papa não tinha tratado diretamente de questões como o histórico de Cuba em direitos humanos e o embargo comercial dos EUA, ao qual o Vaticano se opõe.

"O papa quer fazer uma contribuição, mas a responsabilidade recai sobre os líderes das nações. Ele não quer exagerar o seu papel, só quer contribuir, fazendo sugestões, promovendo o diálogo, a justiça e o bem comum das pessoas", disse o porta-voz.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247