Demissão de 8 mil funcionários da PSA cai como uma bomba na França

Imprensa fala de comoção nacional e de punhalada pelas costas na indústria automotiva; governo de François Hollande não aceita plano e contesta os 250 milhões de euros em dividendos distribuídos no ano passado pelo grupo

Demissão de 8 mil funcionários da PSA cai como uma bomba na França
Demissão de 8 mil funcionários da PSA cai como uma bomba na França (Foto: Benoit Tessier/REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Roberta Namour – correspondente do 247 em Paris - O anúncio de quinta-feira da PSA Peugeot Citroën do corte de 8 mil postos de trabalho na França e do fechamento da fábrica de Aulnay causou um choque no cenário social, mas também em termos políticos.

Nesta manhã, todos os jornais franceses questionam na capa o impacto dessa crise anunciada. "Com este plano de reestruturação, a PSA apunhalou a indústria automotiva", afirmou Jean-Paul Pierot, no l’Humanité. Nicolas Demorand, do Libération, receia que esta "sangria" afunde os empregados e suas famílias em um drama. "É uma comoção nacional," anunciou Rémi Godeau do Est Républicain, diante dos "danos humanos que se anunciam terríveis".

O presidente François Hollande expressou sua "profunda preocupação" após o anúncio e pediu ao primeiro-ministro Jean-Marc Ayrault para colocar em prática todos os esforços necessários para limitar as consequências sociais. Trata-se da primeira grande crise enfrentada por seu governo.

"Nós não aceitamos o plano de demissão do fabricante de automóveis", martelou Arnaud Montebourg, ministro da Indústria. “Porque razão, no ano passado, a Peugeot distribuiu 250 milhões de euros em dividendos aos accionistas e o anterior governo não fez nada? Porque é que a Peugeot comprou as suas próprias acções por 199 milhões?”., questionou. Montebourg frisou que se tratou de “operações financeiras de conveniência, não para o investimento ou a melhoria da competitividade. Agora é preciso responder a estas questões”.

"Desde 2010, deliberadamente escondemos embaixo do tapete a realidade de uma empresa que estava perdendo dinheiro e que fez escolhas estratégicas ruins", acrescentou Benoit Hamon, ministro da Economia, fingindo ignorar que a PSA tem capital aberto na bolsa e publica a cada semestre suas contas.

O primeiro fechamento de uma fábrica de automóveis na França desde o Renault Billancourt, em 1992, causou um solavanco nos socialistas e nas suas promessas de campanha. Entre os dois turnos das eleições presidenciais, a poucos minutos antes do debate entre Nicolas Sarkozy e François Hollande, cem funcionários da PSA fizeram uma manifstação em frente ao estúdio. O então candidato socialista disse a eles: "Saibam que após o 6 de maio, se os franceses me escolherem, vamos analisar esse assunto ». Essa hora chegou, provavelmente não da forma com que Hollande planejava.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247