Democratas atacam retórica de Trump após tiroteios nos EUA

Dois tiroteios que mataram 30 pessoas no Texas e Ohio inflamaram a discussão política nos EUA, com presidenciável pelo Partido Demorata pedindo leis mais severas para controle de armas e acusando o presidente Donald Trump de alimentar tensões raciais

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

WASHINGTON (Reuters) - Dois tiroteios que mataram 30 pessoas no Texas e Ohio inflamaram a discussão política nos Estados Unidos neste domingo, com candidatos à presidência pelo Partido Demorata pedindo leis mais severas para controle de armas e acusando o presidente Donald Trump de alimentar tensões raciais.

O tiroteio em El Paso, Texas, reverberou na campanha eleitoral para a eleição presidencial do ano que vem, e a maioria dos candidatos democratas pediu repetidas vezes por medidas mais rigorosas de controle de armas.

Eles estabeleceram conexões entre os casos de violência e o ressurgimento do nacionalismo branco e da política xenofóbica nos Estados Unidos.

Vários candidatos ao pleito em 2020 disseram que Trump é indiretamente culpado.

“Donald Trump é responsável por isso. Ele é responsável porque está alimentando medos, ódio e fanatismo”, disse o senador americano Cory Booker ao programa “State of the Union” da CNN.

O presidente republicano chamou o tiroteio de El Paso de um “ato de ódio” e “de covardia”.

Neste domingo, ele garantiu que as autoridades federais e locais estão trabalhando juntas na investigação dos dois ataques.

No primeiro massacre, na manhã de sábado na cidade de El Paso, na fronteira com o México, um homem matou 20 pessoas em uma unidade do Walmart antes de se entregar à polícia.

No segundo atentado a tiros dos EUA em menos de um dia, outro homem abriu fogo no centro de Dayton, Ohio, matando nove pessoas, incluindo sua irmã e ferindo outros 27, segundo autoridades. O agressor foi morto a tiros pela polícia.

O chefe de Gabinete interino da Casa Branca, Mick Mulvaney, rebateu as alegações dos democratas e atribuiu os tiroteios a indivíduos “doentes”.

“Não há nenhum benefício aqui em tentar fazer disso uma questão política. Essa é uma questão social e precisamos abordá-la dessa forma”, disse ele neste domingo no programa “This Week”, da ABC.

Tratou-se de uma questão pessoal para Beto O’Rourke, o ex-congressista que retornou a El Paso após o ataque em sua cidade natal. Perguntado na CNN se ele acreditava que Trump era um nacionalista branco, ele respondeu: “Sim, eu acredito”.

“Vamos ser muito claros sobre o que está causando isso e quem é o presidente”, disse O’Rourke. “Ele é aberta e declaradamente racista e está encorajando mais racismo neste país”.

O senador dos EUA, Bernie Sanders, disse mais tarde à CNN que concordava que Trump era um nacionalista branco.

“Não me agrada dizer isso, mas acho que todas as evidências sugerem que temos um presidente racista, um xenófobo que apela e está tentando apelar para o nacionalismo branco”, disse Sanders na CNN.

Uma característica da presidência de Trump tem sido sua determinação em conter a imigração ilegal. Trump recebeu críticas por comentários que depreciavam os imigrantes mexicanos, referindo-se à enxurrada de imigrantes que tentam entrar pela fronteira ao sul dos EUA como uma “invasão”.

Nas últimas semanas, os críticos também acusaram Trump de racismo após seus ataques a membros do Congresso que são de minorias raciais ou étnicas. Trump negou ser racista.

Trump não fez uma declaração pública sobre o tiroteio além de posts no Twitter expressando pesar pelas vítimas.

A Casa Branca não pode se esquivar de sua responsabilidade de moldar o discurso público, disse o prefeito Pete Buttigieg, de South Bend, Indiana. “Não há dúvida de que o nacionalismo branco é tolerado nos níveis mais altos de nosso governo”, disse ele ao “Fox News Sunday”.

A senadora Kamala Harris e político democrata Julian Castro acusaram Trump de usar o poderoso microfone da Casa Branca para semear a divisão.

“Ele falou sobre imigrantes como sendo invasores. Ele deu licença para essa bebida tóxica da supremacia branca apodrecer mais e mais neste país, e estamos vendo os resultados disso”, disse Castro, que é ex-prefeito da cidade de San Antonio, à ABC.

Enquanto as autoridades ainda investigavam o motivo do atirador de El Paso, o governador do Texas, Greg Abbott, disse que o ato aparentava ser um crime de ódio.

O chefe da polícia, Greg Allen, disse que um “manifesto” que se acredita ser do suspeito indicou “potencial nexo com um crime de ódio”.

O manifesto chamava o ataque do Walmart de “uma resposta à invasão hispânica do Texas”, e também expressava apoio ao atirador que matou 51 pessoas em duas mesquitas em Christchurch, na Nova Zelândia, em março.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247