'Destruidor da paz mundial': Biden é recebido sob protestos na Coreia do Sul

A visita de Biden e as ações recentes na região do Indo-Pacífico levantaram preocupações crescentes de que a Coreia do Sul possa se alinhar com os EUA

www.brasil247.com - Presidente dos EUA, Joe Biden, retorna à Casa Branca
01/05/2022
REUTERS/Elizabeth Frantz
Presidente dos EUA, Joe Biden, retorna à Casa Branca 01/05/2022 REUTERS/Elizabeth Frantz (Foto: ELIZABETH FRANTZ)


Sputnik - O presidente dos EUA, Joe Biden, chegou a Seul na sexta-feira (20), em sua primeira viagem à Ásia desde que tomou posse.

Em sua primeira cúpula junto ao presidente sul-coreano recém empossado, Yoon Suk-yeol, analistas manifestaram preocupação com o uso político do governo norte-americano para ameaçar a paz na região, de acordo com o Global Times.

Segundo o Yonhap News, depois que Biden chegou, ele e Yoon visitaram uma fábrica de chips da Samsung em Pyeongtaek, "ressaltando o compromisso dos dois países em trabalhar juntos para fortalecer as cadeias de suprimentos".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Neste sábado (21), os presidentes vão se reunir novamente para discutir toda a gama de desafios econômicos e de segurança que eles e a região enfrentam. Alguns observadores, no entanto, disseram que tais acordos ressaltam o esquema de Biden para atrair a Coreia do Sul para suas estratégias de conter a China.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ainda na quarta-feira (18), o conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, disse que Biden pretendia aproveitar a viagem à Ásia para afirmar a "liderança americana ousada e confiante" no Indo-Pacífico, o que enviaria uma mensagem à China de que o Ocidente e seus parceiros asiáticos não vão ser divididos e enfraquecidos.

Na sexta-feira, em resposta à viagem do presidente norte-americano e às declarações de Sullivan, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, disse em entrevista coletiva que a China espera que as ações dos EUA estejam alinhadas com suas declarações, instando os Estados Unidos a trabalhar com os países regionais para cooperação e não conspirar para divisões ou confrontos, ou ainda, trazer caos à região.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A visita de Biden e as ações recentes na região do Indo-Pacífico levantaram preocupações crescentes de que a Coreia do Sul possa se alinhar com os EUA e abandonar seu equilíbrio anterior entre Pequim e Washington.

Antes da visita de Biden, alguns internautas sul-coreanos postaram suas preocupações nas mídias sociais, dizendo que não dariam as boas-vindas a Biden se ele viesse com o objetivo de sacrificar os interesses da Coreia do Sul por seu propósito geopolítico.

Segundo o Korea Times, na sexta-feira, vários protestos foram realizados perto do hotel no Monte Nam, onde Biden está hospedado durante sua visita a Seul. Apesar de um grupo de 40 apoiadores terem dado às boas vindas ao líder norte-americano, cerca de 60 manifestantes se opuseram à sua presença e seguravam faixas, que chamavam Biden de "destruidor da paz mundial".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Da também observou que o conflito entre Rússia e Ucrânia mudou a mentalidade de algumas pessoas na Coreia do Sul e as fez pesar a segurança sobre os benefícios econômicos o que também teria demonstrado à China, que é preciso manter um bom comércio bilateral com o país para afastar a possível influência norte-americana.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email