Dilma, "la fuerte"

Presidente brasileira é tratada como a grande estrela da Cúpula Ibero Americana, em Cádiz, na Espanha; numa conversa com o publisher do El Pais, Juan Luis Cebrián, ela deu lições ao país que, até recentemente, tratava o Brasil como um dos objetos de sua reconquista da América Latina; "é preciso pagar as dívidas, mas também é preciso tempo para que os países o façam em condições sociais menos adversas; não apenas por razões éticas, mas também econômicas", disse Dilma; confira íntegra

www.brasil247.com - Dilma, "la fuerte"
Dilma, "la fuerte"


247 - Não resta a menor dúvida: a presidente Dilma Rousseff foi a grande estrela da Cúpula Ibero Americana, realizada em Cádiz, na Espanha. Neste domingo, o jornal El Pais, maior diário espanhol, dedica uma página inteira à líder política que a publicação qualifica como "Dilma, la fuerte". E o relato foi feito por ninguém menos que Juan Luís Cebrián, presidente do grupo Prisa, que edita o El Pais (leia aqui a íntegra em espanhol).

O espaço dedicado a Dilma no El Pais é um retrato dos novos tempos. Até recentemente, a Espanha e suas empresas miravam o Brasil como um território a mais na sua reconquista da América Latina. E companhias ibéricas, como o Santander, a Telefônica e a Iberdrola, foram os grandes atores da privatização de setores como o financeiro, o de telecomunicações e o de energia no Brasil. Hoje, a Espanha está mergulhada em profunda recessão, com mais de 25% da população desempregada, e pede ajuda ao Brasil para que invista no outro lado do Atlântico e para que conceda vistos a profissionais qualificados.

Dilma, "la fuerte", é, portanto, uma das esperanças de salvação do governo espanhol. Ao editor Cebrián, a presidente brasileira enviou mensagens importantes sobre como enfrentar a crise. "O problema europeu não é seu estado de bem-estar social, mas sim o fato de terem aplicado soluções inadequadas contra a crise, que resultaram num empobrecimento da classe média", disse Dilma. "Se continuarem assim, vocês produzirão uma recessão generalizada".

A presidente lembrou que o Brasil incorreu no mesmo erro. "Nós vivemos isso. O Fundo Monetário Internacional nos impôs um processo que chamaram de ajuste e agora definem como austeridade. Era preciso cortar todos os gastos, tanto correntes como de investimento. Esse processo gerou a quebra de praticamente toda a América Latina na década de 80".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cebrián destacou em seu texto que Dilma é hoje considerada uma das três mulheres mais poderosas do mundo, ao lado de Hillary Clinton, secretária de Estado dos Estados Unidos, e Angela Merkel, chanceler alemã. Como Hillary deixa o cargo no fim do ano, restam duas: Dilma e Merkel, que apontam visões distintas sobre como enfrentar a crise. Enquanto a alemã simboliza a austeridade, Dilma defende políticas contracíclicas, como tem sido feito no Brasil desde 2008.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A presidente brasileira afirmou ao jornalista espanhol que expôs seus pontos de vista à chanceler alemã. "Disse em todas as reuniões do G20 que a Europa passa por algo que já experimentamos na América Latina. Há uma crise fiscal, uma crise de competitividade e uma crise bancária. E as receitas aplicadas estão causando uma recessão brutal. Sem investimento, será impossível sair dela", disse. "É preciso pagar as dívidas, mas também é preciso tempo para que os países o façam em condições sociais menos adversas; não apenas por razões éticas, mas também econômicas."

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Dilma disse ainda que o euro é um projeto inacabado, apontando o que talvez seja a saída para a Espanha – uma autonomia monetária maior, que permita ao país maior flexibilidade para enfrentar a maior recessão de sua história. Ela disse ainda que "distribuir renda é uma exigência moral, mas também uma premissa para o crescimento."

O fato incontestável é que o Brasil passou a ser ouvido com respeito cada vez maior dos interlocutores internacionais. Dilma é chamada de "la fuerte" sobretudo porque o Brasil também apresenta hoje uma boa solidez econômica.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email