Discurso agressivo de Boris Johnson desagrada membros de seu partido e até a sua irmã

Em discurso que o levou a sua sétima derrota consecutiva no Parlamento, o primeiro ministro britânico Boris Johnson usou o nome da deputada trabalhista anti-Brexit Jo Cox - assassinada por um homem de extrema-direita - para defender o Brexit, gerando uma avalanche de críticas, inclusive de membros de seu próprio partido e de sua irmã

(Foto: UK Parliament/Jessica Taylor/Divulgação via REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em tom agressivo, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, usou o nome da deputada trabalhista anti-Brexit Jo Cox - assassinada por um homem de extrema-direita durante a campanha pelo referendo - para defender o Brexit durante discurso no parlamento. A fala gerou indignação da oposição e até de membros de seu Partido Conservador.

A declaração aconteceu durante debate com a deputada trabalhista Paula Sheriff, que pedia que o primeiro-ministro “moderasse sua linguagem”. Johnson rebateu dizendo que a melhor maneira de honrar Cox “seria, acredito, realizar o Brexit”.

O debate aconteceu no retorno das atividades do Parlamento, depois que a justiça declarou ilegal a manobra de Johnson de suspender as sessões durante cinco semanas, em pleno debate sobre o Brexit.

Johnson sofreu a sétima derrota consecutiva no Parlamento nesta quinta-feira (26). Por 306 votos a 289, os deputados rejeitaram a proposta de um breve recesso na próxima semana, de segunda a quarta-feira, para permitir que os membros do partido governamental participem do congresso anual da formação.

A sessão foi marcada por uma avalanche de críticas contra o primeiro-ministro britânico por sua oratória, considerada incendiária e perigosa no debate que já divide a sociedade britânica.

Nem mesmo a irmã de Boris Johnson lhe poupou. "Meu irmão usa palavras como ‘rendição’ e ‘capitulação’, como se as pessoas que estão no caminho da sagrada vontade do povo, como definido pelos 17,4 milhões de votos em 2016, tivessem que ser enforcadas, afogadas, esquartejadas e cobertas por penas", disse Rachel Johnson ao canal Sky News.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email