Documentos revelam que rainha Elizabeth pressionava governo britânico a adotar medidas que a permitisse esconder fortuna

A série de documentos obtidos pelo Guardian mostra que a intervenção da rainha em uma proposta sobre transparência fiscal fez com que chefes de Estado se tornassem isentos da supervisão. A lei é da década de 70, e foi elaborada durante o governo do ex-primeiro-ministro Edward Heath

(Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Uma série de documentos revela que a rainha Elizabeth, geralmente vista como não possuindo poderes extensos sobre a legislação, na realidade pressionou o governo britânico a adotar medidas para que pudesse esconder o verdadeiro tamanho da fortuna da família real britânica.

Em particular, os documentos obtidos pelo Guardian mostram que a rainha interveio em uma proposta sobre transparência fiscal, que levou o ex-primeiro-ministro Conservador Edward Heath, na década de 70, a isentar chefes de Estado de supervisão.

A medida, na prática, permitiu a criação de uma empresa de fachada que escondia a verdadeira fortuna da rainha. Um "véu de segurança" sobre a verdadeira quantia existia até 2011, demonstra a reportagem de David Pegg e Rob Evans.

Segundo eles, é costumeiro a rainha utilizar o 'Queen's consent' (consentimento da rainha), medida parlamentar arcaica mas que ainda é necessária para aprovar qualquer projeto de lei que afete as prerrogativas reais, para influenciar o curso legislativo do Reino Unido.

Os documentos presentes nos Arquivos Nacionais serão divulgados nesta semana.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email