Egito começa a decidir se presidente pode permanecer no poder até 2030

Os egípcios começaram neste sábado (20) a votar no primeiro dia de um referendo sobre emendas constitucionais que permitiriam ao presidente Abdul Fatah al Sisi se manter no poder até 2030, além de dar mais poderes ao chefe do Estado e das Forças Armadas, diminuindo a independência do poder judiciário

Egito começa a decidir se presidente pode permanecer no poder até 2030
Egito começa a decidir se presidente pode permanecer no poder até 2030
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

EFE - Os egípcios começaram neste sábado (20) a votar no primeiro dia de um referendo sobre emendas constitucionais que permitiriam ao presidente Abdul Fatah al Sisi se manter no poder até 2030, além de dar mais poderes ao chefe do Estado e das Forças Armadas, diminuindo a independência do poder judiciário.

As urnas abriram às 9h (horário local, 4h em Brasília) e fecharão às 21h (16h), e as votações se prolongarão por três dias, até segunda-feira (22).

No bairro de Zamalek, no Cairo, dezenas de pessoas esperavam desde antes da abertura das sessões nas portas da escola de Al Zamalek para exercer seu direito de voto. O colégio está fortemente vigiado por militares mascarados e os eleitores são organizados por membros da Polícia e dos serviços secretos.

No plebiscito os egípcios têm que votar "Sim" ou "Não" para um pacote de emendas constitucionais aprovadas esta mesma semana pelo Parlamento do país, entre as quais se destaca um artigo que permite a Sisi ampliar seu mandato atual de quatro para seis anos, até 2024, e voltar a concorrer a um terceiro mandato de seis anos.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247