EI diz que assassinos da Califórnia eram seus seguidores

O Estado Islâmico disse que o casal que matou 14 pessoas na Califórnia (EUA) em ataque investigado pelo FBI como "ato de terrorismo" eram seguidores do grupo militante baseado na Síria e no Iraque; a declaração do grupo  aparece três dias depois de Syed Rizwan Farook, 28 anos, nascido nos EUA, e sua mulher Tashfeen Malik, 29 anos, do Paquistão, realizarem um ataque a uma festa de feriado para funcionários públicos em San Bernardino, a cerca de 100 km leste de Los Angeles; os dois morreram horas depois, em tiroteio com a polícia

Restos de um carro usado no ataque desta semana em San Bernardino, na Califórnia. 03/12/2015 REUTERS/Mario Anzuoni
Restos de um carro usado no ataque desta semana em San Bernardino, na Califórnia. 03/12/2015 REUTERS/Mario Anzuoni (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Yasmeen Abutaleb e Rory Carroll

SAN BERNARDINO, Califórnia (Reuters) - O Estado Islâmico disse neste sábado que o casal que matou 14 pessoas na Califórnia em ataque investigado pelo FBI como "ato de terrorismo" eram seguidores do grupo militante baseado na Síria e no Iraque.

A declaração do grupo em uma rádio online, aparece três dias depois de Syed Rizwan Farook, 28 anos, nascido nos EUA, e sua mulher Tashfeen Malik, 29 anos, do Paquistão, realizarem um ataque a uma festa de feriado para funcionários públicos em San Bernardino, a cerca de 100 quilômetros leste de Los Angeles.

Os dois morreram horas depois, em tiroteio com a polícia.

Fontes do governo norte-americano disseram que Malik e seu marido podem ter sido inspirados pelo Estado Islâmico, mas não havia nenhuma evidência de que o ataque era direcionado pelo grupo militante ou que a organização sabia quem eles eram. A festa que o casal atacou era para trabalhadores da mesma agência governamental que empregava Farook.  

Se o tiroteio de quarta-feira se provar como tendo sido trabalho de pessoas inspiradas por militantes islâmicos, como os investigadores suspeitam, isso marcaria o ataque mais fatal deste tipo nos Estados Unidos desde 11 de setembro de 2001.

"Dois seguidores do Estado Islâmico atacaram alguns dias atrás um centro em San Bernadino na Califórnia", disse a rádio online do grupo, al-Bayan, no sábado.

Uma versão em inglês da transmissão foi divulgada mais tarde, chamando os atacantes de "soldados" do Estado Islâmico, ao invés de "seguidores" como na versão original em árabe. Não ficou claro se a versão em inglês os colocava como membros, ou o motivo de haver inconsistência.

A transmissão veio um dia após o Facebook confirmar que comentários louvando o Estado Islâmico foram postados perto do horário do tiroteiro em uma conta da rede social feita por Malik sob um pseudônimo. No entanto, era incerto se os comentários foram postados por Malik ou por outra pessoa que teve acesso à sua página.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247