Em derrota para Boris Johnson, Parlamento britânico proíbe brexit sem acordo

A crise política causada pelas indefinições do brexit ganhou nesta quarta (4) um novo capítulo após o Parlamento britânico aprovar um projeto que proíbe o país de deixar a União Europeia sem antes ter um acordo com o bloco para regular a relação futura entre eles

Primeiro-ministro britânico, Boris Johnson.
Primeiro-ministro britânico, Boris Johnson. (Foto: REUTERS / Dylan Martinez)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

(ANSA) - O Parlamento do Reino Unido aprovou nesta terça-feira (3) uma moção para tirar do governo o controle do calendário legislativo, o que abre caminho para colocar em votação um texto para impedir um Brexit sem acordo.

A moção foi aprovada por um placar de 328 a 301, em uma dura derrota para o primeiro-ministro Boris Johnson, que prometera tirar o país da União Europeia em 31 de outubro, com ou sem acordo com Bruxelas.

A medida, costurada pela oposição trabalhista e liberal com dissidentes do Partido Conservador, é uma reação à decisão de Johnson de pedir à rainha Elizabeth II a suspensão do Parlamento até 14 de outubro.

Com isso, o premier pretendia inviabilizar a aprovação de qualquer projeto contra um Brexit sem acordo. A moção desta terça, no entanto, tira do governo o controle do calendário legislativo e representa o primeiro passo para evitar um rompimento abrupto com Bruxelas em 31 de outubro.

A oposição ainda planeja apresentar nesta quarta-feira (4) um projeto para forçar Johnson a pedir o adiamento do Brexit até 31 de janeiro, a não ser que a Câmara dos Comuns aprove até 19 de outubro um novo acordo com a UE ou uma separação imediata.

Pouco antes da votação desta terça, o governo já havia perdido formalmente a maioria no Parlamento, com a deserção do deputado Phillip Lee, que trocou o Partido Conservador pelo Democratas Liberais (LibDem).

Já o primeiro-ministro anunciou que seu partido apresentará uma moção para antecipar as eleições para outubro. "Eu não quero uma eleição, mas se a Câmara votar amanhã para forçar mais um atraso sem sentido no Brexit, será a única maneira de resolver isso", disse.

Além disso, o Partido Conservador expulsará os 21 deputados que votaram contra Johnson, incluindo Nicholas Soames, neto do ex-premier Winston Churchill, um dos grandes símbolos dos "Tories".

Impasse

Um dos principais pontos de discórdia do tratado entre Londres e Bruxelas é o chamado "backstop". Esse mecanismo prevê a manutenção de fronteiras abertas entre Irlanda do Norte, território britânico, e República da Irlanda, Estado-membro da UE, caso o Reino Unido e o bloco não concluam um acordo comercial no período de transição.

Os grupos pró-Brexit temem que isso crie uma espécie de fronteira dentro do próprio Reino Unido e acusam Bruxelas de tentar anexar informalmente uma parte do território britânico. Por outro lado, o tratado que pacificou as Irlandas em 1998 prevê fronteiras abertas para evitar o ressurgimento da violência separatista.

Adepto de uma postura "linha dura", Johnson promete tirar o Reino Unido da UE em 31 de outubro, o prazo fatal do Brexit, mesmo se não houver acordo. Ele também já ameaçou não pagar as 39 bilhões de libras esterlinas da conta do "divórcio" com Bruxelas.

Johnson chama o backstop de "monstruosidade" que tira a "soberania" britânica e exige sua remoção do acordo com a União Europeia, que, por sua vez, já disse inúmeras vezes que não renegociará os termos do tratado. (ANSA)

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247