Equador: Lenín Moreno recua e vai reconsiderar decreto que cancela subsídios

O presidente do Equador, Lenín Moreno, reconsiderará o decreto que cancelou os subsídios aos combustíveis que resultaram nos protestos em massa no país. A informação foi divulgada através de um comunicado do prefeito de Quito, Jorge Yunda Machado

REPRODUÇÃO
REPRODUÇÃO

Da Agência Russa Sputnik News - O presidente do Equador, Lenín Moreno, reconsiderará o decreto que cancelou os subsídios aos combustíveis que resultaram nos protestos em massa no país. A informação foi divulgada através de um comunicado do prefeito de Quito, Jorge Yunda Machado.

No início do dia, as autoridades do Aeroporto Internacional de Quito relataram que as estradas de acesso a ele foram bloqueadas pelos manifestantes.

Enquanto isso, um grupo indígena equatoriano anunciou conversas diretas com Moreno.

Os protestos em massa eclodiram no Equador no início de outubro, quando milhares se uniram contra as reformas econômicas do governo, especificamente a decisão de cancelar os subsídios de combustível para a população, que está há décadas em vigor.

À medida que a agitação civil se tornava progressivamente violenta, Moreno declarou estado de emergência nacional por dois meses. Segundo Moreno, o Equador não podia mais pagar e os cortes poderiam ajudar o país a economizar cerca de US $ 2,27 bilhões por ano. Além disso, a abolição dos subsídios aos combustíveis fazia parte do acordo do governo equatoriano com o Fundo Monetário Internacional para conseguir um empréstimo de US $ 4,2 bilhões.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247