Espanha recusa extraditar advogado réu na Lava Jato

Justiça da Espanha rejeitou um pedido de extradição de um advogado acusado de envolvimento no escândalo de corrupção da Petrobras apresentado pelo Brasil no âmbito das investigações da operação Lava Jato; procuradores da Lava Jato acusam o advogado Rodrigo Tacla Duran, que tem dupla nacionalidade brasileira-espanhola, de ser um dos operadores financeiros do esquema de pagamento de propina da Odebrecht ; caso do advogado será julgado na Espanha, de acordo um comunicado da Justiça espanhola

Justiça da Espanha rejeitou um pedido de extradição de um advogado acusado de envolvimento no escândalo de corrupção da Petrobras apresentado pelo Brasil no âmbito das investigações da operação Lava Jato; procuradores da Lava Jato acusam o advogado Rodrigo Tacla Duran, que tem dupla nacionalidade brasileira-espanhola, de ser um dos operadores financeiros do esquema de pagamento de propina da Odebrecht ; caso do advogado será julgado na Espanha, de acordo um comunicado da Justiça espanhola
Justiça da Espanha rejeitou um pedido de extradição de um advogado acusado de envolvimento no escândalo de corrupção da Petrobras apresentado pelo Brasil no âmbito das investigações da operação Lava Jato; procuradores da Lava Jato acusam o advogado Rodrigo Tacla Duran, que tem dupla nacionalidade brasileira-espanhola, de ser um dos operadores financeiros do esquema de pagamento de propina da Odebrecht ; caso do advogado será julgado na Espanha, de acordo um comunicado da Justiça espanhola (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - A Justiça da Espanha rejeitou um pedido de extradição de um advogado acusado de envolvimento no escândalo de corrupção da Petrobras apresentado pelo Brasil no âmbito das investigações da operação Lava Jato.

Os procuradores da Lava Jato acusam o advogado Rodrigo Tacla Duran, que tem dupla nacionalidade brasileira-espanhola, de ser um dos operadores financeiros do esquema de pagamento de propina da Odebrecht envolvendo a Petrobras.

Ele foi alvo de mandado de prisão da 36ª fase da operação, deflagrada em novembro do ano passado, mas está fora do Brasil desde abril de 2016, de acordo com a Polícia Federal.

O caso do advogado será julgado na Espanha, de acordo um comunicado da Justiça espanhola. Ele é acusado de lavagem de dinheiro, corrupção e de pertencer a organização criminosa.

A Procuradoria-Geral da República não respondeu de imediato a um pedido de comentário. Não foi possível fazer contato com a defesa de Duran.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247