EUA e China concordam em "desnuclearizar" a Coreia do Norte

Sempre em campos opostos, China e Estados Unidos concordaram em um ponto: é preciso que a Coreia do Norte seja "desnuclearizada"; o acordo foi firmado neste sábado 13, depois da visita do secretário de Estado norte-americano John Kerry à China; tentativa é evitar que as ameaças feitas nos últimos dias pelo governo de Kim Jong-Un se concretizem

EUA e China concordam em "desnuclearizar" a Coreia do Norte
EUA e China concordam em "desnuclearizar" a Coreia do Norte
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Do Opera Mundi

Os EUA e a China concordaram em cooperar mutuamente para que a península coreana seja "desnuclearizada" de forma "pacífica", de acordo com diplomatas dos dois países. A decisão foi tomada após uma visita do secretário de Estado norte-americano John Kerry à China. Neste sábado (13/04) ele se encontrou com o presidente chinês Xi Jinping e o chanceler Wang Yi, em Pequim.

Kerry tenta convencer a China a fazer mais pressão sobre a Coreia do Norte, que elevou o tom de suas ameaças de guerra nas últimas semanas, após sofrer uma nova rodada de sanções do Conselho de Segurança da ONU, em represália à realização de seu terceiro teste nuclear.

Ao ser recebido pelo presidente Xi no Grande Salão do Povo de Pequim, o secretário de Estado americano afirmou que a situação na Península Coreana atravessa atualmente "um momento crítico".

“Trata-se claramente de um momento crítico com algumas questões que constituem grandes desafios", afirmou Kerry, ao ser recebido pelo chefe de Estado. "Questões relativas à Península Coreana, ao desafio do Irã e das armas nucleares, Síria e Oriente Médio, e as economias no mundo que precisam ser reativadas", acrescentou.

A China é o único aliado importante da Coreia do Norte e seu fornecedor-chave de ajuda e comércio. As autoridades chinesas são as únicas que têm influência sobre o governo de Kim Jong-Un.

Kerry tenta convencer a China a fazer mais pressão sobre a Coreia do Norte, que elevou o tom de suas ameaças de guerra nas últimas semanas, após sofrer uma nova rodada de sanções do Conselho de Segurança da ONU, em represália à realização de seu terceiro teste nuclear.

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, disse nesta sexta em Seul que os Estados Unidos "não vão aceitar" que a Coreia do Norte se torne uma potência nuclear e afirmou que o líder norte-coreano Kim Jong-um precisa pesar as consequências de um conflito na região.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247