EUA: na reta final da campanha, Covid-19 monopoliza comícios de Trump e Biden

Com o número de casos do coronavírus batendo novos recordes nos Estados Unidos, a pandemia se tornou um dos principais temas nesta reta final de campanha. Trump e Biden fazem comícios em estados do Meio Oeste americano neste fim de semana

Joe Biden e Donald Trump
Joe Biden e Donald Trump (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A três dias das eleições, Trump e Biden tentam conquistar os eleitores do Meio Oeste dos Estados Unidos, onde os casos de Covid-19 explodiram nos últimos dias, colocando a região na chamada “zona vermelha”, sinônimo de alerta máximo.

A pandemia de coronavírus monopoliza discursos dos dois candidatos e acirra os últimos dias de campanha eleitoral. Em um comício na sexta-feira (30) em Michigan, Trump não poupou críticas à classe médica, suscitando uma forte polêmica.

Segundo o republicano, os médicos se aproveitam da pandemia porque ganham mais dinheiro quando declaram as mortes por Covid-19. A acusação, considerada sem fundamento, irritou profundamente os profissionais de saúde do país. Trump, que chegou a tirar sarro de um aliado que estava usando máscara, insiste que a doença não é tão séria como os especialista dizem.

Já Biden adota uma estratégia totalmente oposta. Em um discurso em Iowa, o democrata lembrou que o avanço da epidemia cancelou, pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial, uma importante feira no estado. O democrata pediu ainda que Trump pare de atacar os trabalhadores da saúde que estão na linha de frente na luta contra a Covid-19, informa a RFI.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247