EUA pretendem privar Rússia de um exército forte, afirma ex-embaixador americano

A rivalidade dos EUA com a Rússia se intensifica; reportagem publicada em Sputnik destaca que um ex-embaixador dos EUA afirma que o objetivo da imposição de sanções econômicas contra Moscou é privar a Rússia de um exército e Marinha fortes

EUA pretendem privar Rússia de um exército forte, afirma ex-embaixador americano
EUA pretendem privar Rússia de um exército forte, afirma ex-embaixador americano

247, com Sputnik - O objetivo da imposição de sanções econômicas contra Moscou é privar a Rússia de um exército e Marinha fortes, o que corresponde aos interesses de Washington.

Tal declaração foi feita pelo ex-embaixador dos EUA na Ucrânia, diretor do Centro Eurasiano do Conselho Atlântico, John Herbst, ao canal de TV ucraniano Pryamoi.

"Queremos que a economia deles (russa) seja mais fraca porque uma economia forte sustenta um forte poder militar. E não queremos que um Estado agressivo e poderoso tenha um exército forte ou uma Marinha forte. Portanto, as sanções definitivamente servem os nossos interesses", afirmou Herbst.

Ao mesmo tempo, ele acrescentou, referindo-se aos dados do Fundo Monetário Internacional (FMI), que, devido às sanções, o PIB da Rússia "perde mais de 1% por ano".

Recentemente, o representante especial dos EUA para as negociações ucranianas, Kurt Volker, afirmou que a administração de Washington aplicará sanções extra "todos os meses ou a cada dois meses" contra a Rússia devido à situação na Ucrânia.

Após o golpe ocorrido na Ucrânia e a reunificação da Crimeia com a Rússia (através de referendo e de forma democrática), as relações entre a Rússia e o Ocidente pioraram.

Os EUA e outros países, acusaram Moscou de intervenção nos assuntos internos ucranianos, o que foi repetidamente negado pela Rússia.

Ademais, em 25 de novembro, três navios da Marinha ucraniana atravessaram a fronteira da Rússia, violando assim o direito marítimo. As embarcações entraram em águas temporariamente fechadas e efetuaram manobras perigosas, ignorando as exigências da Guarda Costeira russa.

A Guarda Costeira russa se viu obrigado a usar armas, tendo os três navios ucranianos sido apreendidos e as tripulações detidas. O lado russo abriu um processo criminal por conta da violação da fronteira.

O presidente russo, Vladimir Putin, qualificou as ações da Marinha ucraniana como uma provocação organizada por Pyotr Poroshenko.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247