EUA prometem isolar a Rússia com sanções

A Casa Branca advertiu o presidente Vladimir Putin neste domingo de que Moscou iria enfrentar sanções nos próximos dias e isolamento internacional que vão prejudicar a economia da Rússia, uma vez que Washington se irritou sobre o referendo na Crimeia, região da Ucrânia; "Estamos colocando tanta pressão sobre os russos que poderemos para fazer a coisa certa", disse o conselheiro-sênior da Casa Branca, Dan Pfeiffer; a questão é: a Rússia, com o peso que tem, pode ser isolada?

Russian President Vladimir Putin addresses participants of the St. Petersburg International Economic Forum in St. Petersburg, June 21, 2013. Putin on Friday defended Russian arms deals with Syrian President Bashar al-Assad's government and said the West s
Russian President Vladimir Putin addresses participants of the St. Petersburg International Economic Forum in St. Petersburg, June 21, 2013. Putin on Friday defended Russian arms deals with Syrian President Bashar al-Assad's government and said the West s (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Matt Spetalnick

WASHINGTON, 16 Mar (Reuters) - A Casa Branca advertiu o presidente Vladimir Putin neste domingo de que Moscou iria enfrentar sanções nos próximos dias e isolamento internacional que vão prejudicar a economia da Rússia, uma vez que Washington se irritou sobre o referendo na Crimeia, região da Ucrânia.

"Estamos colocando tanta pressão sobre os russos que poderemos para fazer a coisa certa", disse o conselheiro-sênior da Casa Branca, Dan Pfeiffer, enquanto eleitores na Crimeia, sob o controle das forças russas, decidem se vão romper com a Ucrânia e se juntar a Rússia.

Com o referendo deste domingo, amplamente esperado para favorecer a união com a Rússia a uma região que tem uma maioria de língua russa, alguns dos críticos republicanos do presidente Barack Obama acusaram o governo de mostrar fraqueza na crise da Ucrânia e disseram que agora era a hora dos Estados Unidos revolveram.

Pfeiffer insistiu que o Estados Unidos não reconhecem os resultados do referendo e disse que o governo estava trabalhando com parceiros europeus para aumentar a pressão sobre a Rússia no pior impasse Leste-Oeste desde a Guerra Fria. O Governo regional pró-russo da Crimeia foi adiante com o referendo, apesar das ameaças dos EUA e da Europa contra Moscou.

"Você pode esperar sanções nos próximos dias", disse Pfeiffer ao canal de TV NBC, enquanto a administração se prepara para identificar os russos que os Estados Unidos vão buscar punir com a proibição de vistos e congelamento de ativos autorizados pelo presidente na semana passada.

Enquanto os Estados Unidos e seus aliados descartaram a possibilidade de uma ação militar, Pfeiffer evitou a questão sobre se Washington iria fornecer ajuda militar ao governo interino da Ucrânia, que acusou a Rússia de violar sua soberania sobre a Crimeia.

"Nós estamos olhando para todas as formas de ajuda ", disse Pfeiffer.

Ele pediu que o Congresso aprove um projeto de lei de ajuda econômica para a Ucrânia, que está parado devido a disputas políticas.

(Reportagem adicional de Toni Clarke, Bill Trott e Andy Sullivan)

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email