EUA voltam a provocar a China: 'Mar do Sul não pode ser império marítimo de Pequim'

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, questiona a posição de Pequim sobre o Mar do Sul da China e provoca o país asiático acusando-o de querer formar um império

Mike Pompeo provoca a China
Mike Pompeo provoca a China (Foto: Nicholas Kamm/Pool / Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "A política dos Estados Unidos é muito clara: o Mar da China Meridional não é o império marítimo chinês", disse Mike Pompeo em mensagem divulgada no sábado em sua conta na rede social Twitter.

O chefe da Diplomacia dos EUA classificou as posições de Pequim nessa área como "ilegais", manifestando explicitamente o apoio de Washington às reivindicações marítimas contra a China feitas por vários países do Sudeste Asiático.

"Se Pequim viola o direito internacional e as nações livres não fazem nada, a história mostra que o Partido Comunista Chinês simplesmente tomará mais território", disse Pompeo.

O Mar do Sul da China é um trecho altamente contestado do Oceano Pacífico, do qual Pequim reivindica quase 90%. Vietnã, Taiwan, Filipinas, Malásia e Brunei são outros países que reivindicam partes desse mar.

O governo dos EUA alinha-se consistentemente com os rivais da China na disputa marítima, conforme as autoridades chinesas denunciam. Os EUA tensionam a situação e tentam justificar sua presença militar ilegal na região.

As novas alegações intervencionistas de Pompeo sobre o Mar da China Meridional ocorrem em meio a crescentes tensões entre Washington e Pequim, cujas relações parecem estar em seu pior estado em décadas. 

Segundo especialistas, ambas as potências estão à beira de uma nova Guerra Fria que pode levar a um confronto militar. O professor da Universidade de Chicago John Mearsheimer, argumentou que o aumento da tensão pode levar a uma guerra entre a China e os Estados Unidos em 2021, informa Hispan TV.

O editor internacional do Brasil 247, José Reinaldo Carvalho adverte em sua coluna que o confronto entre os EUA e a China poderá durar décadas. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247