Evo Morales: Luis Almagro não tem autoridade para dirigir OEA

O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, reforçou a demanda do Grupo de Puebla pela renúncia de Luis Almagro, secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), dizendo que “suas mãos estão manchadas de sangue boliviano”

Evo Morales e Luis Almagro
Evo Morales e Luis Almagro
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, postou nesta quarta-feira (22) em sua conta no Twitter uma mensagem de condenação a Luis Almagro, secretário-geral da OEA. Assim, Evo junta sua voz à do Grupo de Puebla, que na última terça-feira (21), notou que “sua saída ajudará a restaurar a paz na região e reativar a integração regional que tem faltado em tempos de pandemia”. 

A postagem de Evo diz: “Luis Almagro não tem autoridade moral para dirigir os destinos dos @OEA_oficial , deve renunciar. Suas mãos estão manchadas de sangue boliviano. Do contrário, solicito aos Estados membros que iniciem sua retirada de acordo com o artigo 116 da Carta da OEA”.

O ex-presidente postou esta mensagem em seguinte: “Como as ações de Luis Almagro e Manuel Gonzales levaram a violações massivas dos direitos humanos e ao cometimento de crimes contra a humanidade, apresentaremos uma queixa contra eles no Tribunal Penal Internacional para que sejam processados e julgados”.

Em junho, foi revelado que o relatório da OEA que alegava fraude nas eleições de outubro de 2019 foi baseado em dados falsos. Assim, a vitória de Luis Arce celebrada no último domingo (18) representa uma derrota para a OEA de Almagro.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247