Evo Morales: pela pacificação da Bolívia, desisto da minha candidatura

Do México, país que lhe concedeu asilo político, Evo Morales concedeu entrevista por Skype ao argentino Página 12 em que afirma que não será candidato à presidência na próxima eleição "para contribuir com a pacificação da Bolívia". Sobre o que ocorreu em seu país, Evo resumiu: "do racismo ao fascismo e do fascismo ao golpe"

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em entrevista ao Página 12 publicada neste domingo (24), Evo Morales, o "primeiro presidente do Estado Plurinacional da Bolívia" - como agora está escrito em sua conta no Twitter -, afirmou que para contribuir com a pacificação da Bolívia, não será candidato nas próximas eleições.

Perguntado se irá à posse do presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, em 10 de dezembro, Evo disse que seria um orgulho e uma honra acompanhar a posse, mas precisa consultar os colegas. "Além disso, a Argentina está mais próxima da Bolívia e poderia agradecer novamente a grande solidariedade ao irmão Alberto Fernández. Ele foi um dos que salvou minha vida e salvou a vida de Álvaro (García Linera, vice de Evo) e da equipe que me acompanhou no domingo, 10 de novembro, e segunda-feira 11. Tenho carinho, respeito e admiração por ele. Poderemos comentar em detalhes o que vivemos naquela segunda-feira, 11 de novembro, nos caminhos da selva do Departamento de Cochabamba", respondeu.

O Senado já concordou com um projeto de lei para uma chamada antecipada para as eleições.

Sim, houve uma reunião sob a garantia das Nações Unidas, da Igreja Católica e da União Europeia. No dia em que cheguei no México, pedi em uma conferência de imprensa para facilitadores e personalidades internacionais de todo o mundo que ajudassem a pacificação da Bolívia. Felizmente, essa reunião acaba de acontecer, na qual o governo de fato de (Jeanine) Añez participou. O MAS (partido de Evo) representa dois terços dos senadores e deputados. Faremos o nosso melhor pela unidade. E pela pacificação, desisto da minha candidatura.

Apesar do resultado das eleições de 20 de outubro, quando o MAS ficou em primeiro lugar?

Sim. E eu quero dizer que esse triunfo foi roubado. Meu grande crime é ser índio e, principalmente, ter recursos naturais nacionalizados, como hidrocarbonetos. Lembro perfeitamente que o irmão Néstor Kirchner, quando nacionalizei e as empresas me disseram que não investiriam mais, ele me ligou e disse: "Se as transnacionais de petróleo não investirem, a Argentina investirá na Bolívia". Tenho grandes lembranças da luta pela dignidade e independência dos Estados, pela dignidade e identidade de nossos povos.

Você falou sobre pacificação.

Farei o possível para pacificar a Bolívia. Eu abandonei a candidatura, apesar de ter me apresentado como candidato à Presidência. Eu não estou reclamando. Eu digo que parei para que não haja mais mortos, nem mais agressões. Irmão jornalista, você sabe por que deixamos a tarde de domingo com o irmão García Linera? Porque eles agarraram meus irmãos líderes, militantes, governadores dos departamentos, prefeitos e disseram-lhes que iriam queimar suas casas se eu não renunciasse à minha posição. O irmão do presidente da Câmara dos Deputados foi informado: "Se o seu irmão não renunciar, nós o queimaremos na praça". Eles queimaram a casa da minha irmã em Oruro. Do racismo ao fascismo e do fascismo ao golpe. Foi o que aconteceu na Bolívia. Por esse motivo, busco unidade e pacificação. Então eu disse às nossas bancadas. Anunciei que desta vez Álvaro e eu desistiríamos das candidaturas à presidência e vice-presidência.

Leia a entrevista na íntegra no Página 12

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247