Ex-policial assume 200 assassinatos de esquadrão da morte das Filipinas

Um policial aposentado depôs em audiência do Senado das Filipinas nesta segunda-feira assumindo ter matado quase 200 pessoas como integrante de um "esquadrão da morte" quando o presidente filipino, Rodrigo Duterte, era prefeito da cidade de Davao, e disse ter feito a confissão por causa de seu "medo de Deus"; Arturo Lascanas admitiu ter mentido em outubro, durante um inquérito do Senado a respeito de supostas execuções extrajudiciais ligadas a Duterte, mas disse só tê-lo feito por temer pela segurança de sua família e porque a polícia o havia alertado a "negar tudo"

Policial aposentado Arturo Lascanas faz juramento antes de depor em audiência no Senado 06/03/2017 REUTERS/Erik De Castro
Policial aposentado Arturo Lascanas faz juramento antes de depor em audiência no Senado 06/03/2017 REUTERS/Erik De Castro (Foto: José Barbacena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters- Um policial aposentado depôs em uma audiência do Senado das Filipinas nesta segunda-feira assumindo ter matado quase 200 pessoas como integrante de um "esquadrão da morte" quando o presidente filipino, Rodrigo Duterte, era prefeito da cidade de Davao, e disse ter feito a confissão por causa de seu "medo de Deus".

Arturo Lascanas admitiu ter mentido em outubro, durante um inquérito do Senado a respeito de supostas execuções extrajudiciais ligadas a Duterte, mas disse só tê-lo feito por temer pela segurança de sua família e porque a polícia o havia alertado a "negar tudo".

Ele contou que matou pessoalmente 300 pessoas, cerca de 200 delas como membro do "esquadrão da morte de Davao", e que a última foi em 2015. Ele ainda detalhou dois casos em que matou críticos de Duterte seguindo instruções do guarda-costas do então prefeito.

Lascanas, que rompeu em lágrimas diante da mídia ao revelar sua história duas semanas atrás, é a segunda pessoa a testemunhar diante de parlamentares sobre os supostos laços de Duterte com um grupo de extermínio clandestino.

Os aliados de Duterte minimizam as alegações, que veem como um complô de seus opositores para desacreditar o líder popular e sua guerra às drogas, uma campanha que críticos afirmam ter uma semelhança perturbadora com um padrão de assassinatos misteriosos em Davao.

"Temi pela vida de meus entes queridos", disse Lascanas quando indagado por que havia negado anteriormente a existência do esquadrão da morte.

Ele disse ter mudado seu testemunho "por causa de meu desejo de dizer toda a verdade, não só por causa de minha renovação espiritual, mas pelo medo de Deus, queria limpar minha consciência".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247