Ex-vice-presidente do Paraguai é sequestrado

O ministro do Interior paraguaio, Euclides Acevedo Candia, disse que se trata de um crime de "fortes conotações políticas". "Para nós é prioritário recuperar o ex-vice-presidente vivo"

Oscar Denis
Oscar Denis (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - O ex-vice-presidente do Paraguai Oscar Denis, de 74 anos, sofreu um sequestro nesta quarta-feira (9) no departamento de Concepción, cerca de 500 quilômetros de Assunção.

O veículo de Oscar Denis foi encontrado por funcionários de sua fazenda com as portas abertas e panfletos do autodenominado Exército do Povo Paraguaio (EPP), grupo armado fundado em 2008.

O carro do ex-vice-presidente foi deixado cerca de 20 quilômetros de distância do local onde, em dois de setembro, houve um conflito armado entre o EPP com a Força Tarefa Conjunta (JTF) que deixou duas meninas de 11 anos mortas.

O ministro do Interior paraguaio, Euclides Acevedo Candia, foi a Concepción e disse, conforme publicou a pasta, que se trata de um crime de "fortes conotações políticas".

"É um homem que participou dos aparatos produtivos da República, de prestígio no departamento [de Concepción]. Portanto, o seu sequestro tem uma grande conotação política", afirmou.

Para o ministro, o importante é resgatar Oscar Denis com vida.

"Para nós é prioritário recuperar o ex-vice-presidente vivo, por isso apoiamos a entrevista coletiva das filhas do ex-vice-presidente, no sentido de conhecer o seu estado de saúde atual, de forma que possa resguardar a saúde delicada do compatriota Oscar Denis", disse o ministro Euclides Acevedo.

Segundo o ministro, foi encontrado no veículo uma fotografia que mostra a relação dos sequestradores com o EPP.

"O folheto foi encontrado com uma fotografia pertencente ao Exército do Povo Paraguaio (EPP)", completou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247