Fator ativo da guerra fria geopolítica, Otan agora ameaça América Latina

O ingresso da Colômbia na Otan acarreta graves perigos de instabilidade e ameaças à paz em toda a América Latina. Veja a opinião do ex-chanceler Celso Amorim, da presidenta do Conselho Mundial da Paz, Socorro Gomes, e da deputada federal Jô Morais

O ingresso da Colômbia na Otan acarreta graves perigos de instabilidade e ameaças à paz em toda a América Latina. Veja a opinião do ex-chanceler Celso Amorim, da presidenta do Conselho Mundial da Paz, Socorro Gomes, e da deputada federal Jô Morais
O ingresso da Colômbia na Otan acarreta graves perigos de instabilidade e ameaças à paz em toda a América Latina. Veja a opinião do ex-chanceler Celso Amorim, da presidenta do Conselho Mundial da Paz, Socorro Gomes, e da deputada federal Jô Morais (Foto: Reinaldo)

247 - Por José Reinaldo Carvalho (*) – O ingresso da Colômbia na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) na condição de sócio global, anunciado em termos altissonantes pelo presidente Juan Manuel Santos na última sexta-feira (25), provoca uma mudança qualitativa de natureza estratégica na região da América Latina e Caribe. 

 A Otan é uma aliança militar criada pelos Estados Unidos após a Segunda Guerra Mundial no quadro da guerra fria contra a União Soviética e o campo de países socialistas do Leste Europeu. Apesar de a URSS e o campo socialista europeu oriental terem desaparecido no início da década de 1990, a Otan tem ampliado o número de seus membros e sócios estratégicos e expandido seu raio de ação. Engloba vários países ex-soviéticos e chega até as fronteiras da Rússia. Hoje conta com 29 membros e oito sócios globais. 

 É uma aliança com capacidade nuclear, que tem participado em várias intervenções armadas fora da área geográfica do Atlântico Norte. Teve participação ativa nas guerras que destruíram a antiga Iugoslávia e, no caso da Sérvia, cometeu crimes de lesa-humanidade durante a chamada Guerra do Kosovo. Associou-se às guerras estadunidenses no Afeganistão, no Iraque e guerreou contra a Líbia, arrasando o país.

 A nova concepção estratégica da Otan estabelece o "direito de intervir" nos conflitos internacionais em quaisquer regiões do mundo, invocando pretextos como a defesa dos direitos humanos, a proteção ao meio ambiente, a prevenção ou reação a ataques cibernéticos e outros motivos.  

Para o embaixador Celso Amorim, ex-chanceler brasileiro do governo Lula (2003-2010) e ex-ministro da Defesa do governo Dilma (2011-2016), "a guerra fria, sob a nova roupagem geopolítica e de luta por recursos, chega à América do Sul, algo que conseguimos evitar durante os governos Lula e Dilma, graças ao Conselho Sul-americano de Defesa e outras iniciativas". 

A deputada federal Jô Moraes (PCdoB-MG), da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados, considera “um erro estratégico de consequências imprevisíveis para os colombianos e os povos da América Latina” o ingresso do país vizinho na Otan. E acrescenta: “Entrar numa aliança militar que nada tem a ver com os interesses do nosso continente só favorece a ânsia do governo de Trump de trazer para nosso colo as bombas de suas guerras imperialistas. Vergonhosa e subserviente a posição do Grupo de Lima, incluindo o Brasil, em apoiar o governo da Colômbia”, argumenta.

Por seu turno, a presidenta do Conselho Mundial da Paz, Socorro Gomes, considera a Otan "uma grave ameaça à paz mundial". 

O Conselho Mundial da Paz participa ativamente da campanha mundial "Paz sim, Otan não". Socorro Gomes tem feito conferências em vários países e no Parlamento Europeu para denunciar os planos de guerra da Otan. 

"Desde o seu nascimento - diz -, a Otan não se tem caracterizado como uma organização de defesa, mas de agressão aos países e povos. Surgiu para impedir o desenvolvimento da luta dos povos, principalmente o avanço do bloco socialista. Hoje suas marcas são crimes, ataques a povos e nações e à soberania dos países, como atestam a destruição da antiga Iugoslávia e, com essa mesma característica, os ataques ao Afeganistão, à Líbia e agora a ingerência na Síria. A Otan é uma máquina de guerra a serviço dos Estados Unidos e das potências europeias. Hoje ela expande sua atuação para o mundo inteiro", enfatiza Socorro, que considera o ingresso da Colômbia na aliança atlântica "uma ameaça à paz e à estabilidade para toda a região latino-americana e caribenha". 

Efetivamente, a luta em defesa da soberania nacional e pela paz na América Latina entra em nova etapa. 

(*) Jornalista, especialista em Política Internacional, editor do Resistência [www.resistencia.cc]

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247