Ferraço: "Molina tem direito a asilo político no Brasil"

Presidente da Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado, Ricardo Ferraço (PMDB-ES), afirma que autoridades diplomáticas bolivianas e brasileiras estão fazendo "tempestade em copo d'água"; o senador Roger Pinto Molina denunciou o envolvimento de autoridades bolivianas com o narcotráfico e é por elas acusado de corrupção e crime ambiental; ele estava asilado na embaixada brasileira na Bolívia desde 28 de maio de 2012; ele será ouvido no Senado nesta terça-feira

Presidente da Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado, Ricardo Ferraço (PMDB-ES), afirma que autoridades diplomáticas bolivianas e brasileiras estão fazendo "tempestade em copo d'água"; o senador Roger Pinto Molina denunciou o envolvimento de autoridades bolivianas com o narcotráfico e é por elas acusado de corrupção e crime ambiental; ele estava asilado na embaixada brasileira na Bolívia desde 28 de maio de 2012; ele será ouvido no Senado nesta terça-feira
Presidente da Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado, Ricardo Ferraço (PMDB-ES), afirma que autoridades diplomáticas bolivianas e brasileiras estão fazendo "tempestade em copo d'água"; o senador Roger Pinto Molina denunciou o envolvimento de autoridades bolivianas com o narcotráfico e é por elas acusado de corrupção e crime ambiental; ele estava asilado na embaixada brasileira na Bolívia desde 28 de maio de 2012; ele será ouvido no Senado nesta terça-feira (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Senado - O presidente da Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado, Ricardo Ferraço (PMDB-ES), disse na manhã desta segunda-feira (26) à Rádio Senado que o senador oposicionista boliviano Róger Pinto Molina tem direito a asilo político no Brasil porque estava sendo perseguido pelo governo do seu país e submetido a condições desumanas. O próprio Molina virá ao Senado nesta terça-feira (27) para relatar o drama que viveu durante 465 dias em um quartinho da embaixada brasileira em La Paz, depois de acusações mútuas entre ele e o governo de Evo Morales.

– O senador Molina estará à disposição da imprensa brasileira para responder a quaisquer questionamentos – anunciou Ferraço, ao ser ouvido pelo programa Conexão Senado. A entrevista coletiva do parlamentar boliviano está marcada para esta terça, às 15h, na sala 7 da Ala Alexandre Costa.

O líder da oposição desembarcou à 1h10 deste domingo (25) no aeroporto internacional de Brasília acompanhado por Ferraço. Ele deixou La Paz em um carro da embaixada brasileira e viajou 1.600 quilômetros até Corumbá (MS), por autorização do chefe de chancelaria, ministro Eduardo Saboia, que substitui temporariamente o embaixador Marcel Biato.

Molina denunciou o envolvimento de autoridades bolivianas com o narcotráfico e é por elas acusado de corrupção e crime ambiental. Ele estava asilado na embaixada brasileira na Bolívia desde 28 de maio de 2012, em condições psicológicas muito ruins.

Em nota divulgada no domingo, o Ministério das Relações Exteriores informou que abrirá inquérito para apurar a saída de Molina, e tomará as medidas administrativas e disciplinares cabíveis. O governo boliviano também informou que irá apurar o caso.

Na opinião do senador pelo Espírito Santo, as autoridades diplomáticas bolivianas e brasileiras estão fazendo "tempestade em copo d'água". Ele lembrou que durante reunião da Cúpula Mercosul realizada em julho, os presidentes dos países membros do bloco regional aprovaram um documento determinando que os estados membros não podem “impedir a implementação” do direito de asilo.

- Asilo político é ato de soberania nacional. O governo federal concedeu asilo político [a Molina] há mais de um ano. O que é inexplicável é que o governo da Bolívia não tenha concedido salvo-conduto para que ele pudesse deixar o país. Por isso eu não vejo razão para crise. A crise se daria se esse senador, em profunda depressão, pudesse definhar e morrer na embaixada – argumentou o presidente da CRE.

A comissão deverá em breve ouvir o ministro Eduardo Saboia sobre o assunto.

Ferraço já havia visitado Molina em março, quando foi à Bolívia verificar a situação de torcedores do Corinthians presos no país após incidente em jogo da Taça Libertadores da América. Conforme o senador brasileiro afirmou na ocasião, os torcedores - que já retornaram ao Brasil - estavam sendo “objeto de barganha política” por parte do governo da Bolívia, em virtude do asilo concedio a Molina pela Embaixada do Brasil.

Os torcedores corintianos foram presos na cidade de Oruro após a morte do torcedor Kevin Espada, de 14 anos, atingido por um sinalizador durante jogo do Corinthians contra o San José, em 20 de fevereiro.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email